sicnot

Perfil

País

É preciso olhar para o desempenho orçamental do 1º trimestre "com especial prudência"

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) considerou hoje que é preciso olhar para o desempenho orçamental do primeiro trimestre deste ano "com especial prudência".

No relatório sobre a evolução orçamental até ao final do primeiro trimestre de 2016 publicado hoje, o CFP recorda que entre janeiro e março deste ano, o défice orçamental foi de 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB), acima da meta de 2,2% prevista para o conjunto do ano. No entanto, representa uma melhoria homóloga de 2,3 pontos percentuais.

Sublinhando que este desempenho deve ser visto "com especial prudência", o CFP indica que o défice registado no primeiro trimestre desde ano "é o menor, em percentagem do PIB, dos primeiros trimestres desde 2013" e que, nos anos anteriores, "os trimestres seguintes registaram défices menores que no primeiro, correspondendo a uma trajetória de progressiva consolidação orçamental".

No entanto, a instituição liderada por Teodora Cardoso alerta que "estes factos não devem ser valorizados em si mesmos como preditores de melhorias nos trimestres seguintes do ano em curso", uma vez que "há um conjunto de circunstâncias novas em 2016 com impacto potencial nas comparações com períodos homólogos passados".

Entre estes aspetos, o CFP identifica "a orientação diferente da política orçamental, a entrada em vigor tardia da lei do OE [Orçamento do Estado] e os riscos próprios do ano em curso", nomeadamente "as perspetivas sombrias para a União Europeia e os principais importadores extracomunitários".

Também "os desenvolvimentos relacionados com a avaliação europeia do cumprimento das recomendações sobre o PDE [Procedimento dos Défices Excessivos]" e a situação tensa nos sistemas financeiros nacional e internacional" são apontados pela instituição como desafios específicos que se colocam este ano.

O Conselho confirmou na terça-feira o desencadeamento de processos de sanções a Portugal devido à "ausência de medidas eficazes" para a correção do défice excessivo no prazo estipulado, que era o final de 2015, ano em que o país registou um défice de 4,4% do PIB, acima do limite de 3,0% definido pelas regras europeias.

A Comissão tem 20 dias para propor o montante das multas, que podem ir até 0,2% do PIB. O Governo português, por seu turno, tem um prazo de 10 dias para apresentar os seus argumentos com vista a uma redução da multa, que, de acordo com as regras europeias, pode ser mesmo nula, o que é agora o objetivo do Governo português.

Com Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.