sicnot

Perfil

País

Ordem dos Médicos de Moçambique denuncia 700 médicos ilegais

A Ordem dos Advogados de Moçambique (OrMM) denunciou hoje a existência de cerca de 700 médicos, incluindo estrangeiros, que exercem a atividade ilegalmente, apelando às autoridades judiciais para responsabilizarem criminalmente os envolvidos.

Regis Duvignau / Reuters

"Temos identificados cerca de 700 médicos em situação ilegal, ou porque não estão inscritos na ordem ou porque, estando inscritos, não pagam as respetivas quotas", afirmou Eugénio Zacarias, bastonário da OrMM, à margem de um seminário entre a entidade e a Procuradoria-Geral da República de Moçambique.

Zacarias adiantou que entre os médicos que exercem a função incluem-se cubanos e sul-coreanos, exortando as autoridades judiciais a responsabilizarem criminalmente os envolvidos.

"Estamos perante uma situação de usurpação de função, que é deve ser punida nos termos da lei", afirmou o bastonário da OrMM.

De acordo com Eugénio Zacarias, no âmbito da lei moçambicana, só pode ostentar o estatuto de médico o profissional da área que estiver inscrito na ordem e com as quotas em dia.

Zacarias acrescentou que, até ao ano passado, a OrMM tinha inscritos em todo o país cerca de 2.600 médicos.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.