sicnot

Perfil

País

Presidente da República elogia prestação de Guterres em debate da ONU

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou hoje a prestação de António Guterres no primeiro debate entre candidatos a secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), considerando-a brilhante.

© Mike Segar / Reuters

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, o antigo primeiro-ministro "destacou-se pelo brilho da sua intervenção" e demonstrou ser "o candidato certo" para reformar a ONU.

Numa nota divulgada na página da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado "felicita o engenheiro António Guterres pela sua participação" no debate inédito realizado na sede da ONU, em Nova Iorque, e que, na hora de Lisboa, decorreu entre as 23:00 de terça-feira e a madrugada de quarta-feira.

"O conhecimento revelado sobre os grandes problemas do mundo, assente numa vasta carreira internacional e numa experiência ímpar ao serviço das Nações Unidas, demonstraram que o engenheiro António Guterres é o candidato certo para promover a reforma daquela organização", afirma o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescenta que Guterres será capaz de reformar a ONU "com vista ao aprofundamento do seu papel na promoção da paz no mundo e no diálogo entre povos e culturas, à luz dos princípios da tolerância universalista e do respeito pela dignidade da pessoa humana".

Lusa

  • Guterres foi o mais aplaudido em debate da ONU
    0:30

    Mundo

    António Guterres teve mais uma prova de fogo na corrida a secretário-geral da ONU. Os candidatos tiveram de responder a perguntas de jornalistas, embaixadores e cidadãos. Guterres foi o candidato mais aplaudido na primeira ronda do debate. Entre os assuntos discutidos estiveram liderança, violações de direitos humanos, gestão da ONU e prevenção dos conflitos internacionais.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.