sicnot

Perfil

País

Sindicato pede a ministra para corrigir erros do estatuto da PSP

O Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) vai pedir hoje à ministra da Administração Interna para que corrija "erros muito graves" que constam do estatuto profissional da PSP, como a progressão nas carreiras e a passagem à pré-aposentação.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

O presidente do SINAPOL, Armando Ferreira, disse à agência Lusa que hoje vai ter uma reunião de trabalho com a ministra Constança Urbano de Sousa para dar a conhecer "os problemas que afetam os polícias", num encontro pedido pelo sindicato.

Armando Ferreira adiantou que vai pedir à ministra que corrija "erros muito graves" que estão no estatuto profissional da PSP, aprovado pelo anterior Governo e que entrou em vigor a 01 de dezembro de 2015.

Progressão na carreira, reforço policial, passagem à pré-aposentação e aposentação e transferência de polícias são algumas das questões que, segundo o SINAPOL, têm de ser alteradas no estatuto.

Armando Ferreira disse também que é necessário "desbloquear rapidamente" o concurso para a admissão de novos polícias, recordando que, em 2020, a PSP deverá apenas contar com cerca de 15.000 elementos.

O presidente do SINAPOL afirmou que vai ainda chamar a atenção da ministra para os problemas existente no subsistema de saúde dos polícias, nomeadamente a falta de médicos em determinadas zonas do país, como nos Açores, Madeira, Castelo Branco e Viseu.

O SINAPOL não faz parte dos 10 sindicatos da PSP que, na terça-feira, decidiram realizaram uma manifestação, no início de setembro, em frente à direção nacional da Polícia de Segurança Pública para protestarem por problemas pendentes e que são essencialmente administrativos.


Lusa

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08