sicnot

Perfil

País

Tribunal absolve pais e avó de bebé que morreu após ataque de cão em Beja

Os pais e a avó do bebé, de 18 meses, que morreu em 2013 após o ataque de um cão, em Beja, foram hoje absolvidos em tribunal do crime de exposição ou abandono da criança.

O acórdão do tribunal de júri foi hoje lido no Tribunal de Beja, oito dias após o início do julgamento dos três arguidos, que eram acusados do crime de exposição ou abandono do bebé, agravado pelo resultado, punível com pena de prisão de três a dez anos.

A decisão do tribunal de júri, constituído por um coletivo de juízes e quatro jurados, veio ao encontro do que tinha sido pedido pelo procurador do Ministério Público (MP) e pelos três advogados dos arguidos na primeira e única sessão do julgamento, que decorreu no dia 05 deste mês e que incluiu as alegações finais. O bebé foi atacado a 06 de janeiro de 2013 na cozinha da casa dos avós e onde vivia também com os pais, por um cão cruzado de pitbull, raça considerada potencialmente perigosa.

Após o ataque, o bebé ficou gravemente ferido e foi transportado pelos pais para o hospital de Beja, onde lhe foi diagnosticado traumatismo cranioencefálico grave, tendo depois sido transferido para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde morreu dois dias depois.

O tribunal absolveu também a avó das duas contraordenações de que era acusada por deter um cão perigoso ou potencialmente perigoso sem licença e sem seguro.

Lusa

  • Atrás das Câmaras em Mirandela
    2:36

    Atrás das Câmaras

    A SIC está a percorrer o pais para ouvir as historias dos municípios e dos eleitores. Até às autárquicas, o programa opinião pública dá lugar ao Atrás das Câmaras, que hoje está em Mirandela, no distrito de Bragança, como conta a repórter Catarina Lázaro.

    Hoje na SIC e SIC Notícias

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • "Não é possível fazer tudo ao mesmo tempo"
    0:39

    Orçamento do Estado 2018

    O deputado e economista do PS Paulo Trigo Pereira defende que o desagravamento fiscal que o Governo quer pôr em marcha é "moderado". Em entrevista ao Público e à Renascença, o socialista diz que é preciso realismo e que é uma "alquimia" mexer ao mesmo tempo nas carreiras, pensões e rendimentos dos trabalhadores.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15