sicnot

Perfil

País

Cidadãos de mais 9 países podem utilizar fronteira eletrónica no Aeroporto de Lisboa

O Sistema de Reconhecimento Automático de Passageiros Identificados Documentalmente (RAPID) vai estar disponível a partir de hoje no aeroporto de Humberto Delgado, em Lisboa, a cidadãos de mais nove países.

© Rafael Marchante / Reuters

Atualmente, passam pelo sistema RAPID, equipamento eletrónico que realiza de forma automática e sem intervenção humana os procedimentos de controlo de fronteira, os cidadãos nacionais e da União Europeia.

A partir de hoje, o RAPID, nas partidas internacionais do aeroporto de Lisboa, passa a poder ser utilizado também pelos cidadãos dos Estados Unidos da América, Canadá, Austrália, Brasil, Venezuela, Japão, Coreia do Sul, Singapura e Nova Zelândia.

Segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), os cidadãos destes nove países, que vão poder passar pelo RAPID, são aqueles que estão isentos de visto e que não tenham excedido o período autorizado de permanência.

O SEF garante que será assegurada "a aplicação da lei nacional e europeia relativa ao controlo de saída destes cidadãos", sublinhando que o alargamento do RAPID a mais nove nacionalidades é "um fator de celeridade e fiabilidade de controlo, no maior posto de fronteira do país".

O número de nacionalidades poderá ser alargado ou reajustado em função do preenchimento de determinados requisitos necessários e indispensáveis à utilização deste sistema, adianta aquele serviço de segurança.

Desde 2007 que Portugal utiliza o controlo automatizado de fronteira, para entradas e saídas do país, de cidadãos europeus, maiores de 18 anos, portadores de passaporte eletrónico ou de cartão de cidadão para o cidadão português.

O sistema RAPID torna a passagem de fronteira mais célere, salvaguardando a segurança, por fazer uso do reconhecimento facial.

Anualmente, o RAPID é utilizado por quase 2 milhões de passageiros europeus, só na fronteira do aeroporto de Lisboa.


Lusa

  • Governo enfrenta vaga de contestação
    2:35

    Economia

    O Governo enfrenta uma onda de contestação. Guardas prisionais, procuradores, professores, médicos e enfermeiros descontentes ameaçam com greves nos diferentes setores, já nos meses de março e abril.

  • Bastonário dos médicos diz que a classe deixou de acreditar no ministro da Saúde
    2:24

    País

    Desde Março do ano passado que perto de mil médicos especialistas aguardam colocação nos hospitais. O concurso, prometido várias vezes pelo ministro da Saúde, não abriu ainda por falta de autorização do Ministério das Finanças. Amanhã, quinta-feira, um grupo destes médicos vai à Assembleia da República entregar uma carta que entretanto já seguiu para os ministros da Saúde e Finanças.

  • Proposta criação de 77 mil empregos através de uma descida da TSU
    1:23
  • 296 mortos em 2 dias de bombardeamentos em Ghouta Oriental
    2:16
  • Tiroteio na Florida foi o 18.º registado em meio escolar nos EUA desde janeiro
    1:25