sicnot

Perfil

País

Guarda prisional detido por corrupção proibido de entrar nas prisões

O guarda prisional, detido na semana passada por crimes informáticos e corrupção, ficou suspenso de funções e proibido de entrar em todas as prisões, segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

(Arquivo Reuters)

(Arquivo Reuters)

© Nacho Doce / Reuters

A PGDL adianta que o guarda prisional da cadeia de Pinheiro da Cruz, em Grândola, ficou ainda sujeito a Termo de Identidade e Residência (TIR) e proibido de acesso e contactos a todos os estabelecimentos prisionais.

Na semana passada, a Polícia Judiciária deteve um guarda prisional, de 42 anos, que se dedicava aos crimes de burla informática, acesso ilegítimo e corrupção, num caso em que está também envolvido um recluso em cumprimento de pena.

Segundo a PJ, a investigação apurou que o guarda prisional em funções "colaborava e facilitava a atividade de um recluso, que, do interior do estabelecimento prisional se dedicava à prática de crimes de burla informática e acesso ilegítimo, utilizando para o efeito um smartphone com capacidade de processamento".

Aquela polícia referiu, na altura, que os factos tinham por base "uma forte componente de 'engenharia social', levando as vítimas a concederem privilégios de acesso a sistemas informáticos comprometedores e que se consubstanciavam em prejuízos económicos imediatos".

De acordo a PJ, os elementos até agora disponíveis permitem atribuir aos autores a responsabilidade por danos de cerca de trinta mil euros, tendo sido ainda apreendidos meios informáticos que suportavam os crimes cometidos.


Lusa

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Admirável mundo novo
    16:17