sicnot

Perfil

País

Médicos investigados por fraudes no valor de 943 milhões de euros

Cerca de 430 médicos estão a ser investigados por fraudes de milhões. Segundo o Jornal de Notícias, o Estado foi lesado em 943 milhões de euros por fraudes no Serviço Nacional de Saúde. Alguns dos casos detetados são o roubo de receitas e de vinhetas médicas, a prescrição abusiva de medicamentos, com níveis elevados de comparticipação do Estado, e ainda a falsificação de receitas, sem conhecimentos dos médicos.

© Regis Duvignau / Reuters

Os casos foram detetados pelo Ministério da Saúde e, nos últimos quatro anos, as fraudes lesaram o Estado em 943 milhões de euros.

O Serviço Nacional de Saúde enviou 573 processos - que envolvem 432 médicos, prestadores de serviços e utentes - à Polícia Judiciária e à Procuradoria-Geral da República.

Muitos dos casos foram detetados no centro de controlo da Maia, onde passam cerca de nove milhões de faturas todos os meses.

Os dados recolhidos permitem combater a fraude. Contudo, o Ministério da Saúde quer também usar a informação para reduzir o desperdício e garantir que não está a pagar dinheiro a mais, tanto às farmácias como aos prestadores de serviços.

A tutela promete ainda apertar a fiscalização às contas dos hospitais e das unidades de saúde.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.