sicnot

Perfil

País

Ministro do Ensino Superior diz que Portugal precisa de estudar mais

PAULO NOVAIS

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, disse hoje que Portugal precisa de ter mais estudantes e estudar mais, e que o acesso ao conhecimento passa por massificar o ensino superior.

"O que temos é de ter mais estudantes, Portugal precisa de facto de estudar mais, os portugueses têm de aprender, aprender é um esforço e é um esforço que só se faz com mais ciência", disse Manuel Heitor, aos jornalistas, no mercado municipal da Figueira da Foz, à margem do arranque da edição 2016 do projeto Ciência Viva no Verão, que comemora 20 anos.

Questionado sobre o número de vagas em universidades e politécnicos públicos - 50.688 este ano, para a primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, um ligeiro aumento face a 2015 e o primeiro aumento em quatro anos de quebras sucessivas na oferta - o ministro afirmou que é uma demonstração da "necessidade e a atenção" que o Governo está a dar "às várias formas de ensino superior, politécnico e universitário, que, em colaboração com os centros de investigação e ações de cultura cientifica formam hoje um sistema diversificado".

"O acesso ao conhecimento hoje passa por massificar o ensino superior e é algo que temos de reconhecer, temos um conjunto de instituições muito valorizadas e integradas no território, que urge desenvolver e promover", frisou.

"Como tenho vindo a dizer, nós não temos instituições a mais, temos estudantes a menos e, por isso, temos de promover o ensino superior, nos centros urbanos, fora dos centros urbanos, é esse um dos desígnios de Portugal", adiantou o governante.

De acordo com dados disponibilizados pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), para o concurso que arranca na quinta-feira, dia 21, há mais 133 vagas do que as 50.555 disponibilizadas no ano anterior, o que se traduz num aumento ligeiro, distribuído entre várias instituições, mas que contraria uma tendência de queda do número de vagas iniciada em 2012.

Há 28.310 vagas (55,9%) no ensino universitário e 22.378 vagas (44,1%) no ensino politécnico, uma distribuição que mantém a proporção dos últimos anos.

Às vagas do concurso nacional de acesso acrescem 660 vagas para concursos locais, organizados pelas próprias instituições, destinados a colocar candidatos nos cursos superiores artísticos, como música, teatro, dança e cinema.


Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.