sicnot

Perfil

País

Número de desempregados com subsídio de desemprego baixou em junho

O número de desempregados a receber prestações de desemprego diminuiu em junho, 5,2% em relação a maio e 17,3% face a junho de 2015, divulgou hoje a Segurança Social.

De acordo com a síntese de informação estatística mensal da Segurança social, foi o subsídio social de desemprego inicial que apresentou a maior quebra em junho, 13,8%, o que corresponde a menos 1.495 beneficiários desta prestação.

No mesmo período, o subsídio de desemprego teve um decréscimo de 5,1%, ou seja, menos 9.269 subsídios atribuídos.

O Orçamento do Estado para 2016 criou uma medida extraordinária de apoio aos desempregados de longa duração que tenham cessado o período de concessão do subsídio social de desemprego, que passou a designar-se de inicial ou subsequente.

Segundo o Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, estes dados ainda não refletem a nova medida.

O valor médio mensal de todas as prestações de desemprego processadas tem permanecido estável, sendo de 458,62 euros em junho.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.