sicnot

Perfil

País

Contra as portagens na ponte em agosto, buzinar

Contra as portagens na ponte em agosto, buzinar

A ponte 25 de Abril foi hoje palco de um buzinão contra as portagens em agosto. O protesto foi marcado pela Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul, que relembra que durante vários anos houve isenção de pagamento de portagens na ponte durante o principal mês de férias, que o anterior governo de Pedro Passos Coelho decidiu acabar.

A comissão classifica ainda a situação como uma "discriminação inaceitável."

A ação de protesto, que se iniciou cerca das 8:00, é promovida pela Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul (CUTMS), que instalou cartazes no viaduto do Pragal, situado antes da praça das portagens a apelar ao buzinão.

"Isto começou mais cedo do que estávamos à espera porque os carros começaram a buzinar logo a partir do momento em que colocamos os cartazes aqui no viaduto", disse Luísa Ramos, da CUTMS.

O buzinão de protesto foi efetuado sobretudo pelos automobilistas que seguiam no sentido sul-norte, antes de efetuarem o pagamento da portagem. Mesmo assim, houve veículos a buzinar também no sentido norte-sul e no viaduto do Pragal.

A CUTMS refere ainda que enviou ao ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, um pedido de isenção das portagens em agosto. pretensão. "Lamentavelmente não se dignou a responder", referiram os membros da comissão de utente.

Com Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.