sicnot

Perfil

País

Passos antecipa nova crise para "muito antes das autárquicas"

Passos antecipa nova crise para "muito antes das autárquicas"

Passos Coelho antecipa uma nova crise ainda antes das autárquicas. No discurso de ontem à noite no conselho nacional do PSD, o ex-primeiro-ministro traçou um cenário negro para o país. Acusou António Costa de aumentar os riscos orçamentais e chegou mesmo a dizer que a "conversa de que a austeridade acabou é mentirosa".

Um dos principais pontos da agenda era a estratégia para as autárquicas. Passos Coelho quer ganhar essas eleições, mas deixou um aviso.

Muito antes disso, o país vai ter um problema nas mãos. Que problema? Uma crise política ou uma nova bancarrota? A frase dita aos conselheiros nacionais não é clara. Mas foi o remate de 40 minutos de discurso, à porta fechada, que fonte da direção do PSD relatou depois aos jornalistas.

Passos disse que "a conversa de que a austeridade acabou é mentirosa" porque "a austeridade está cá toda" e acusou Costa de ter mudado de narrativa, depois de ter prometido que bastava o programa do PS para garantir mais crescimento e mais emprego. Como está tudo a sair ao contrário, disse Passos, o Governo atira agora as culpas para o passado.

Num ataque cerrado aos socialistas, o líder do PSD falou de uma janela de oportunidade e credibilidade que se está a fechar e de um cenário negro que só patetas alegres acham que não existe.

Exemplos? O ex-primeiro-ministro acredita que há vários. Falou de dívida não reconhecida, por exemplo, na área da saúde e de como isso aumenta os riscos orçamentais para o segundo semestre, num país que está sem margem para pedir emprestado e que só consegue financiar-se com a ajuda do banco central europeu.

Sobre o sistema financeiro, garantiu que a situação da banca em 2011 era péssima, bem diferente da que foi herdada por António Costa. Denunciou administradores da Caixa vindos da concorrência, que ainda não tomaram posse mas que já estão a ter acesso a informação privilegiada sobre o banco público e a negociá-lo com Bruxelas.

E sobre isto deixou uma pergunta: quer o Governo rebentar com os bancos todos para fazer a vontade ao Bloco de Esquerda e depois dizer que a culpa é de Passos e de Maria Luís Albuquerque?

  • "Isto pode rebentar nas mãos e nos bolsos dos portugueses"
    2:18

    País

    O PSD acusou hoje o Governo de tratar de forma ligeira os problemas na banca portuguesa. Pedro Passos Coelho disse mesmo que, em tempo de venda, o executivo está a tratar o dossier Novo Banco de forma "quase criminosa". António Costa desvalorizou e diz que os sociais-democratas não têm credibilidade para falar.

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.