sicnot

Perfil

País

Sargentos consideram "inaceitável" aumento da idade das reformas

© Nacho Doce / Reuters

A Associação Nacional de Sargentos considerou hoje "inaceitável" a intenção do Governo em equiparar as pensões militares à dos polícias, salientando que há atividades nas Forças Armadas que não são compagináveis com a degradação própria da idade.

O Diário de Notícias adianta na sua edição de hoje que o Governo está a preparar um conjunto de alterações profundas ao regime de reformas dos militares e dos polícias, entre as quais o aumento da idade da reforma para mais um ano e dois meses (igual à dos polícias).

Em declarações hoje à agência Lusa, o presidente José Gonçalves disse que a Associação Nacional de Sargentos (ANS) é "frontalmente contra, porque há determinadas funções que os militares têm que não são compagináveis a degradação física própria da idade".

"Quero lembrar também que houve uma redução de efetivos. Neste momento, somos 32 mil militares a dar resposta a tudo o que é atividade operacional das Forças Armadas. Trinta e dois mil militares é metade do Estádio da Luz", sublinhou.

O dirigente associativo realçou que estes 32 mil militares têm de dar cobertura à Zona Económica Exclusiva (ZEE) em termos de segurança e patrulha, busca e salvamento, o que é "impraticável com pessoas com idades acima de determinado patamar".

"Nós estamos a trabalhar em frentes operacionais no limite e os próprios chefes militares têm referido isso. Não estamos a ver de que forma o Governo poderá empenhar mais anos nesta atividade sem recrutar mais gente para as forças armadas", disse.

O mesmo responsável frisou que a média de idade da reforma está atualmente nos 55 anos, mais 40 anos de serviço.

"Há atividades que são críticas dentro das Forças Armadas como por exemplo os nadadores-salvadores, pilotos, bombeiros, entre outras", salientou.

O presidente da ANS disse não ter conhecimento oficial desta informação, adiantando que na quinta-feira foi ao Ministério da Defesa entregar um ofício a solicitar informações ao ministro Azeredo Lopes.

O Diário de Notícias diz ter tido acesso a um documento de trabalho, que foi distribuído ao mais alto nível para pareceres reservados.

O diploma, escreve o jornal, partiu da iniciativa da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, que "assumiu publicamente querer equiparar os regimes da PSP e da GNR, colocando polícias militares ao mesmo nível".

De acordo com o diário, o documento preparado vai mais longe alargando-os aos militares das Forças Armadas e do Exército e ao pessoal da Marinha e do Exército e ao pessoal do Corpo da Guarda Prisional.

O jornal salienta que, no preâmbulo do referido projeto de lei, é referido que se pretende "proceder a uma uniformização das condições e das regras de atribuição e de cálculo das pensões de aposentação e de reforma e de pensão de velhice entre os militares das Forças Armadas, da GNR, da Polícia Marítima e outro pessoal militarizado, dos agentes com funções policiais da PSP e do pessoal do Corpo da Guarda Prisional.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28