sicnot

Perfil

País

Sargentos consideram "inaceitável" aumento da idade das reformas

© Nacho Doce / Reuters

A Associação Nacional de Sargentos considerou hoje "inaceitável" a intenção do Governo em equiparar as pensões militares à dos polícias, salientando que há atividades nas Forças Armadas que não são compagináveis com a degradação própria da idade.

O Diário de Notícias adianta na sua edição de hoje que o Governo está a preparar um conjunto de alterações profundas ao regime de reformas dos militares e dos polícias, entre as quais o aumento da idade da reforma para mais um ano e dois meses (igual à dos polícias).

Em declarações hoje à agência Lusa, o presidente José Gonçalves disse que a Associação Nacional de Sargentos (ANS) é "frontalmente contra, porque há determinadas funções que os militares têm que não são compagináveis a degradação física própria da idade".

"Quero lembrar também que houve uma redução de efetivos. Neste momento, somos 32 mil militares a dar resposta a tudo o que é atividade operacional das Forças Armadas. Trinta e dois mil militares é metade do Estádio da Luz", sublinhou.

O dirigente associativo realçou que estes 32 mil militares têm de dar cobertura à Zona Económica Exclusiva (ZEE) em termos de segurança e patrulha, busca e salvamento, o que é "impraticável com pessoas com idades acima de determinado patamar".

"Nós estamos a trabalhar em frentes operacionais no limite e os próprios chefes militares têm referido isso. Não estamos a ver de que forma o Governo poderá empenhar mais anos nesta atividade sem recrutar mais gente para as forças armadas", disse.

O mesmo responsável frisou que a média de idade da reforma está atualmente nos 55 anos, mais 40 anos de serviço.

"Há atividades que são críticas dentro das Forças Armadas como por exemplo os nadadores-salvadores, pilotos, bombeiros, entre outras", salientou.

O presidente da ANS disse não ter conhecimento oficial desta informação, adiantando que na quinta-feira foi ao Ministério da Defesa entregar um ofício a solicitar informações ao ministro Azeredo Lopes.

O Diário de Notícias diz ter tido acesso a um documento de trabalho, que foi distribuído ao mais alto nível para pareceres reservados.

O diploma, escreve o jornal, partiu da iniciativa da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, que "assumiu publicamente querer equiparar os regimes da PSP e da GNR, colocando polícias militares ao mesmo nível".

De acordo com o diário, o documento preparado vai mais longe alargando-os aos militares das Forças Armadas e do Exército e ao pessoal da Marinha e do Exército e ao pessoal do Corpo da Guarda Prisional.

O jornal salienta que, no preâmbulo do referido projeto de lei, é referido que se pretende "proceder a uma uniformização das condições e das regras de atribuição e de cálculo das pensões de aposentação e de reforma e de pensão de velhice entre os militares das Forças Armadas, da GNR, da Polícia Marítima e outro pessoal militarizado, dos agentes com funções policiais da PSP e do pessoal do Corpo da Guarda Prisional.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.