sicnot

Perfil

País

Soares aplaudido de pé na cerimónia de homenagem ao seu I Governo Constitucional

SIC

O antigo Presidente da República e primeiro-ministro Mário Soares foi hoje aplaudido de pé ao chegar à cerimónia de homenagem ao I Governo Constitucional, que chefiou há 40 anos, na sequência das primeiras legislativas em democracia.

Mário Soares saiu da residência oficial do primeiro-ministro para os jardins do Palácio de São Bento, em Lisboa, de braço dado com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Ao seu lado, estavam o chefe do Governo, António Costa, e o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

O fundador do PS e antigo primeiro-ministro e chefe de Estado, que está com 91 anos, não comparecia numa iniciativa pública há oito meses, desde 22 de novembro do ano passado, quando participou num almoço de solidariedade para com o antigo primeiro-ministro José Sócrates, na antiga Feira Industrial de Lisboa (FIL).

Esta cerimónia de homenagem a Mário Soares e ao I Governo Constitucional - que tomou posse há precisamente 40 anos, a 23 de julho de 1976 e esteve em funções até 23 de janeiro de 1978 - foi organizada pelo atual executivo e teve início pelas 18:30, perante cerca de 250 convidados.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi-se embora logo depois, tendo sido acompanhado até à saída pelo primeiro-ministro, António Costa.

Mário Soares assistiu à cerimónia sentado num cadeirão no lado esquerdo do alpendre do palácio. Em seu redor sentaram-se a filha, Isabel, o filho, João, a nora, Annick Burhenne, o neto, Jonas, e o antigo deputado Carlos Luís.

No lado direito, sentaram-se António Costa, o antigo primeiro-ministro Francisco Pinto Balsemão e o jurista e gestor Rui Vilar, que foi ministro dos Transportes e Comunicações do I Governo Constitucional, os três oradores desta cerimónia.

Dos outros antigos presidentes da República, só António Ramalho Eanes compareceu nesta cerimónia. Aníbal Cavaco Silva informou que não poderia estar presente e Jorge Sampaio faltou por motivos de saúde, segundo fonte do Governo.

Dos antigos primeiros-ministros, estiveram Balsemão e Pedro Passos Coelho. António Guterres, candidato a secretário-geral das Nações Unidas, encontra-se na Índia e Durão Barroso informou que não podia estar presente por razões familiares, adiantou a mesma fonte.

Entre os convidados, estavam membros dos antigos governos chefiados por Mário Soares, membros do atual Governo e deputados.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43