sicnot

Perfil

País

Marcelo usa veto pela segunda vez em quase cinco meses de mandato

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, usou hoje, pela segunda vez o veto político ao fim de quase cinco meses de mandato, rejeitando o diploma que altera os estatutos da STCP e do Metro do Porto.

O segundo veto de Marcelo Rebelo de Sousa acontece cerca de um mês e meio depois do Presidente da República se ter estreado na devolução de diplomas ao parlamento, quando a 08 de junho rejeitou o decreto que introduzia a possibilidade de recurso à gestação de substituição.

Marcelo vetou hoje o diploma do parlamento que altera os estatutos das duas empresas de transportes por "vedar, taxativamente, qualquer participação de entidades privadas", considerando "politicamente excessivo e contraditório com os objetivos assumidos no quadro da governação em funções".

Em relação ao primeiro veto, o Presidente da República demorou um tempo semelhante ao de Cavaco Silva quando, em 2006, recorreu a esta ferramenta constitucional pela primeira vez no seu mandato de estreia.

Já neste segundo veto, Marcelo Rebelo de Sousa precisou apenas de menos dois meses para o voltar a usar, enquanto Cavaco Silva só vetou o segundo diploma mais de um ano depois do primeiro veto.

A 9 de junho, o parlamento tinha aprovado em votação final global a revogação dos decretos-lei do anterior executivo para a subconcessão dos transportes públicos de Lisboa e do Porto, com os votos contra do PSD e do CDS-PP.

Já a propósito do primeiro veto, a 8 de junho, foi anunciado que o chefe de Estado tinha promulgado o diploma que alarga o acesso à procriação medicamente assistida (PMA), mas vetado o decreto que introduz a possibilidade de recurso à gestação de substituição, decisão revelada no próprio dia em que Marcelo Rebelo de Sousa recebeu os diplomas em Belém.

Na quarta-feira, o projeto de lei do BE para permitir a gestação de substituição, com alterações introduzidas após o veto de Marcelo, foi aprovado pela Assembleia da República, tendo nessa mesma tarde o chefe de Estado anunciado que ia promulgar este novo diploma.

Em dez anos como Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva usou o veto político por 25 vezes, tendo as questões de género marcado a 'estreia' e a 'despedida' dos diplomas devolvidos ao parlamento pelo chefe de Estado.

Lusa

  • Segurança da Academia de Alcochete avisado 10 minutos antes do ataque
    1:57
  • "Não acho que seja prudente" o regresso dos atletas à Academia do Sporting
    5:49

    Crise no Sporting

    As agressões aos jogadores e equipa técnica do Sporting, na Academia de Alcochete, foram o tema de uma entrevista a Ana Bispo Ramires, psicologa do desporto. Questionada sobre se os jogadores deveriam regressar ou não à academia, Ana Bispo Ramires diz que não devem fazê-lo e explica que é importante que haja medidas de atuação, o mais rápido possível, para que os atletas e restante equipa técnica do clube possam reprocessar, do ponto de vista cognitivo, as ameaças que sofreram. 

  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC