sicnot

Perfil

País

Coordenador da Área Metropolitana do Porto desvaloriza veto do Presidente

(Lusa/Arquivo)

LUSA

O coordenador dos transportes e da mobilidade da Área Metropolitana do Porto (AMP) considerou hoje que o veto do Presidente da República à alteração dos estatutos da STCP e da Metro do Porto tem "um impacto nulo" para os cidadãos.

Em declarações à Lusa, Marco Martins considerou que se trata de "uma questão política entre o Presidente da República e a Assembleia da República" que "não terá efeitos práticos para os cidadãos".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vetou na segunda-feira o diploma do parlamento que altera os estatutos da Sociedade de Transportes Públicos do Porto (STCP) e da Metro do Porto por "vedar, taxativamente, qualquer participação de entidades privadas".

Marcelo Rebelo de Sousa devolveu ao parlamento o diploma aprovado a 09 de junho, relativo à alteração aos Estatutos da STCP e da Metro do Porto, considerando, segundo a página da Presidência da República, que é "politicamente excessivo e contraditório com os objetivos assumidos no quadro da governação em funções".

"O regime em apreço, ao vedar, taxativamente, qualquer participação de entidades privadas, representa uma politicamente excessiva intervenção da Assembleia da República num espaço de decisão concreta da Administração Pública - em particular do Poder Local -, condicionando, de forma drástica, a futura opção do Governo, em termos não condizentes com o propósito por ele enunciado, e, sobretudo, a escolha das autarquias locais, que o Governo se comprometeu a respeitar no domínio em questão", justifica.

Segundo Marco Martins, "este veto ou mesmo que a lei venha a ser aprovada não terá efeitos práticos, porque, quanto à STCP, está em curso o processo de municipalização, e o regime de transporte de passageiros já prevê que 30% da operação possa ser concessionada".

"E, portanto, através de concessão de linha ou da co-exploração, como já existem, essa questão está salvaguardada, [o veto] não terá efeitos práticos em tudo aquilo que temos vindo a trabalhar na municipalização, nas novas concessões ou no desenho da rede", sublinhou.

Aliás, acrescentou, "os privados têm vindo a colaborar de uma forma muito positiva nessa matéria e até na questão da bilhética e na questão do andante. Quanto à STCP não se vislumbram consequências práticas se o veto se mantiver ou mesmo que o decreto venha novamente a ser aprovado na Assembleia da República".

"A nossa preocupação é que o cidadão que costuma usar ou pretende utilizar o transporte público não sofra diretamente ou indiretamente qualquer consequência nesta matéria, seja sob o ponto de vista do tarifário ou seja sob o ponto de vista da oferta", frisou.

Quanto à questão da Metro, o coordenador do setor dos transportes e da mobilidade da AMP afirmou que "a única coisa que [o veto do Presidente da República] poderá vir ou não a alterar para o futuro é a transferência de capital, eventualmente, a privados. Agora sob o ponto de vista da concessão ou da exploração da rede também em nada afeta ou em nada altera".

"São questões políticas, o que preocupa a Área Metropolitana nesta matéria em concreto é o impacto ou não no cidadão e esse impacto nessa medida é nulo", referiu.


Lusa

  • Marcelo explicou bem o veto
    0:38

    Opinião

    Marcelo Rebelo de Sousa vetou o diploma do Parlamento que altera os estatutos da Sociedade de Transportes Públicos do Porto (STCP) e da Metro do Porto por "vedar, taxativamente, qualquer participação de entidades privadas".Na análise na Edição da Noite, o diretor da TSF, David Dinis, lembra que Marcelo justificou bem este veto, enviando um recado aos partidos da esquerda. Considera ainda que a opção do Presidente da República é uma decisão com significado político.

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.

  • Quem está ao lado de Trump? Melania ou uma sósia?

    Mundo

    A especulação surgiu no Twitter: estaria Trump acompanhado de uma sósia de Melania para ocultar a ausência da mulher num evento oficial? A teoria da conspiração ganhou depois força nas redes sociais. Julgue por si mesmo.

    SIC

  • Norte-americano entrega-se após perder aposta com a polícia no Facebook

    Mundo

    Um jovem de 21 anos procurado pela polícia norte-americana entregou-se, esta segunda-feira, depois de perder uma aposta com a polícia, no Facebook. Michael Zaydel prometeu entregar-se se uma publicação sobre o seu desaparecimento chegasse às mil partilhas, na rede social. O jovem norte-americano prometeu ainda levar uma dúzia de donuts, caso os agentes da cidade de Redford conseguissem ganhar a aposta.

    SIC