sicnot

Perfil

País

Erasmus do Porto ganham concurso internacional com projeto de casas para Síria

Um grupo de estudantes Erasmus da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP) ganhou o concurso internacional de ideias 'Síria: habitação do pós-guerra', com um projeto de reconstrução habitacional, anunciou esta quarta-feira fonte da FAUP.

O projeto de reconstrução habitacional, intitulado 'Endless Future Project' (Projeto Futuro Contínuo), teve como caso de estudo a cidade de Alepo (Síria) e distinguiu-se pela "profunda análise das tipologias locais de habitação, pela reflexão que sustenta a transição entre o tecido urbano islâmico e as mais recentes construções, e pelo estudo detalhado dos materiais de construção propostos e sistemas de ventilação natural", explicou o júri do concurso.

Os italianos Giulia Gorgo, Alfredo De Luca, Elena Guidetti e a espanhola Marta Gayoso são os jovens estudantes Erasmus, que ganharam o concurso internacional de ideias e que frequentaram o 4.º ano do Mestrado Integrado em Arquitetura da FAUP.

O concurso internacional foi lançado em fevereiro de 2016 pela plataforma 'matterbetter' e desafiava estudantes de arquitetura e jovens arquitetos a apresentar uma proposta de investigação para novos conceitos de habitação para a futura Síria do pós-guerra, tendo recebido um 245 propostas no total, indica a página da Internet do concurso.

O primeiro prémio do concurso tem um valor de três mil euros e certificados e alguns dos critérios de avaliação focaram-se na inovação e originalidade, adaptabilidade a vários grupos de pessoas, sustentabilidade e funcionalidade.

Aos participantes foi-lhes pedido que tivessem em atenção fórmulas de poupança de energia de forma sustentável, construções locais e a cultura da Síria ou que as construções conseguissem ter, a curto prazo, uma solução qualitativa para a habitação social de massa com pelo menos 50 anos ou mais tempo de vida.

A guerra civil na Síria, iniciada em 2011, criou a maior crise de refugiados depois da II Guerra Mundial e, segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, mais de quatro milhões de pessoas terão abandonado aquele país e fugido para a Turquia, Líbano, Jordânia, Iraque e Europa.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.