sicnot

Perfil

País

Calor de julho não teve expressão na mortalidade

Calor de julho não teve expressão na mortalidade

O calor que se tem feito sentir em julho não teve, até ao momento, "expressão preocupante" em termos de mortalidade, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS), que apontou, no entanto, um ligeiro aumento na procura das urgências dos hospitais.

Numa conferência de imprensa realizada hoje na DGS, a subdiretora geral da Saúde, Graça Freitas, considerou normal o número de óbitos registados em julho, tendo em conta as elevadas temperaturas.

"Até agora, felizmente, o fenómeno da mortalidade não tem tido a expressão preocupante, ou seja, está naquele limite máximo da variabilidade que nós consideramos normal, em relação a estes fenómenos", disse Graça Freitas.

Segundo a DGS, registaram-se, até 27 de julho, mais 647 óbitos do que em períodos homólogos de 2014 e 2015, um aumento que se tem verificado desde fevereiro e março.

Com Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC