sicnot

Perfil

País

Enfermeiros exigem retomar das negociações e ameaçam com mais greves

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) exige o retomar das negociações sobre as 35 horas de trabalho para todos e emitiu já pré-avisos para novas greves em agosto.

Sanada a questão das sanções europeias a Portugal, o presidente do SEP afirma não haver motivos para que as negociações com os ministérios da Saúde e Finanças continuem suspensas.

Em declarações aos jornalistas junto ao Hospital de São José, em Lisboa, José Carlos Martins adiantou que já começaram a ser emitidos pré-avisos de greves semanais por instituições. A primeira paralisação está agendada para a semana de 9 a 12 de agosto no Instituto Português de Oncologia de Coimbra, hospital de Figueira da Foz e Centro Hospitalar do Algarve.

Hoje, os enfermeiros cumprem o primeiro dia de greve a nível nacional, depois de na quinta-feira terem estado em paralisação em cinco distritos.

Dados do SEP indicam que a adesão à greve foi de 78,6% no turno da noite e da parte da manhã situa-se entre os 70 a 90%.

Quanto às negociações com o Governo, o Sindicato vai ainda hoje enviar cartas ao primeiro-ministro e outros membros do Executivo a exigir que se voltem à sentar à mesa para debater a reposição das 35 horas de trabalho semanais para todos, incluindo os profissionais com Contratos Individuais de Trabalho, que mantêm o regime das 40 horas.

Os funcionários do setor da saúde e os enfermeiros iniciaram quinta-feira uma greve de 48 horas para exigir a reposição das 35 horas semanais a todos os trabalhadores e celebração de um acordo coletivo de trabalho, bem como pelo pagamento de horas extraordinárias.


Lusa

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49