sicnot

Perfil

País

Governo autoriza abate de 800 árvores para ligar barragem do Tua à rede elétrica

O Governo autorizou a REN, empresa responsável pelas infraestruturas da rede elétrica, a abater 800 árvores de espécies protegidas invocando a "imprescindível utilidade pública" do empreendimento para ligar a barragem do Tua à Rede de Transporte de Eletricidade.

O despacho conjunto dos secretários de Estado da Energia e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Seguro Sanches e Oliveira Torres data de 19 de julho e foi publicado hoje em Diário da República.

Em causa está a linha de transmissão, a 400 kV, de Foz Tua a Armamar, que vai implicar o abate agora autorizado de 75 sobreiros adultos e 184 jovens e 171 azinheiras adultas e 388 jovens em cerca de nove hectares "de povoamentos e pequenos núcleos daquelas espécies, situados ao longo do traçado da linha nos locais de alguns apoios e acessos", segundo a descrição feita no despacho governamental.

Ao todo serão abatidas 818 árvores e para o efeito, os secretários de Estado da tutela declaram "imprescindível utilidade pública deste empreendimento" e condicional a autorização do abate destes exemplares de sobreiro e azinheira "à aprovação e implementação do projeto de compensação e respetivo plano de gestão".

A decisão fica ainda condicionada ao "cumprimento de todas as exigências legais aplicáveis e de todas as condicionantes da Declaração de Impacte Ambiental e da Decisão de Conformidade Ambiental do Projeto de Execução".

O despacho considera "o relevante interesse público, económico e social da obra, bem como a sua sustentabilidade", uma vez, que além de permitir o indispensável transporte da energia produzida pela barragem em fase de conclusão, em Trás-os-Montes, "servirá igualmente para fornecer, a partir da rede elétrica para a central daquele aproveitamento hidroelétrico, a energia necessária para colocar os seus dois grupos reversíveis em funcionamento em modo de bombagem, com relevante interesse para o sistema elétrico e para a gestão da água na Bacia do Douro".

O Governo sustenta ainda a autorização por a obra estar em conformidade com as imposições e licenças anteriores e por considerar "a inexistência de alternativas válidas à localização" da linha de transporte de energia, indicando que esta solução "foi a escolhida em sede de Avaliação de Impacte Ambiental.

O despacho teve ainda em conta que a REN "apresentou proposta de medidas compensatórias" prevendo a arborização de um total de 11 hectares, 7,5 dos quais com azinheira e 3,5 com sobreiro.

A obra fica localizada no Perímetro Florestal de Santa Comba, na Unidade de Baldio de Palheiros, União de Freguesias de Noura e Palheiros, no concelho de Murça, e afeta zonas geridas em regime de Associação entre os Compartes e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

A REN fica também com poderes para proceder à expropriação de terrenos.

A construção da barragem de Foz, entre os concelhos de Carrazeda de Ansiães (Bragança) e Alijó (Vila Real), já implicou o abate de quase 20 mil sobreiros e azinheiras.

Em 2011, a concessionária EDP foi autorização a abater cinco mil exemplares e mais 14 mil já no início deste ano.

A barragem tem sido alvo da contestação de movimentos cívicos, ambientalistas e partidos políticos, nomeadamente por alegados impactos ambientais e visuais no Douro Património da Humanidade e pela destruição da centenária Linha do Tua.

Lusa

  • Barragem do Tua deverá entrar em funcionamento em 2017
    7:25

    País

    A barragem do Tua começa a encher este mês e deverá entrar em funcionamento já no próximo ano. Antes da alteração da paisagem do vale e o rio dê lugar a um lago de 420 hectares, a SIC registou os últimos momentos do rio selvagem e ouviu os receios das populações das aldeias ribeirinhas.

  • Movimento pela reabertura da Linha do Tua
    3:49

    País

    Durante o fim de semana, cerca de 70 pessoas assinalaram os 25 anos do fim da Linha ferroviária do Tua com uma limpeza simbólica. O Movimento Cívico defende a reativação da via-férrea para servir as localidades que não têm transportes. A via transmontana chegou a servir três cidades e 34 aldeias numa extensão total de 134 quilómetros. O Plano de Mobilidade prevê reabilitar quase 40 quilómetros da via, mas o projeto ainda não começou a ser executado.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.