sicnot

Perfil

País

Greve dos enfemeiros no turno da noite foi de 78,5%

A adesão à greve nacional dos enfermeiros referente ao turno da noite, que começou às 00:00 de hoje, foi de 78,6%, segundo dados avançados pelo Sindicato Nacional do setor.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) indicou que a adesão à greve no turno da noite foi de 78,6%, enquanto na quinta-feira a paralisação, que decorreu apenas em Viana do Castelo, Braga, Castelo Branco, Santarém e Algarve, situou-se nos 75,6%.

"Na quinta-feira, a adesão média, nos três turnos (manhã, tarde e noite) foi de 75,6%", é referido.

Dada a elevada adesão à greve, o SEP aconselha os "utentes a deslocarem-se aos serviços de Saúde, apenas, na estrita medida do inadiável (situações de urgência)".

O SEP remeteu ainda para as 11:00 de hoje mais dados sobre a greve e anúncio de novas intervenções e formas de luta.

Os funcionários do setor da saúde e os enfermeiros iniciaram quinta-feira uma greve de 48 horas para exigir a reposição das 35 horas semanais a todos os trabalhadores e celebração de um acordo coletivo de trabalho, bem como pelo pagamento de horas extraordinárias.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.