sicnot

Perfil

País

Cadela resgatada pelos bombeiros de Valença é agora a mascote da corporação

Kika

Kika, uma cadela com cerca de três meses resgatada pelos Bombeiros Voluntários de Valença, virou mascote da corporação e transformou-se na "menina dos olhos" dos cerca de 50 operacionais que lá trabalham.

"A nossa pequena é uma dádiva da natureza. Estamos a adorar tê-la aqui no quartel. É uma companhia fantástica", afirmou à Lusa Pedro Lima.

O operacional da corporação adiantou que a chegada da Kika ao quartel foi encarada com "muita felicidade" e que a reação da população do concelho à notícia da adoção da cadela, divulgada na página oficial dos bombeiros nas redes sociais, "tem sido fantástica".

O mais recente elemento dos Bombeiros Voluntários de Valença foi encontrado, no passado dia 13 de julho, na berma de uma estrada na freguesia de Ganfei por uma equipa que regressava do combate a um incêndio urbano.

"Primeiro fugiu com medo e por estar muito debilitada. Quando viu que não lhe íamos fazer mal aceitou o colinho", disse o bombeiro.

Com autorização do comando e da direção da associação humanitária dos bombeiros a Kika foi "adotada" e "levada, de imediato ao veterinário devido ao seu estado, muito debilitado".

"Teve que estar internada por envenenamento, com veneno para ratos, situação que associamos ao local onde foi encontrada numa zona de terrenos agrícolas", disse Pedro Lima.

O bombeiro adiantou que "está a recuperar bem, graças à veterinária Karina Viães" e no quartel "todos acompanham com cuidado a evolução do estado de saúde da pequena".

"Todos se preocupam com a hora da medicação porque queremos que esteja a 100%, que se sinta contente e em casa", disse, adiantando que "primeiro o objetivo é estabilizar o estado de saúde da cadela e, mais tarde pensar que projetos poderão ser desenvolvimentos para envolver a comunidade".

Os custos dos tratamentos estão a ser suportados pela associação humanitária e as despesas com a alimentação e conforto da Kika são repartidas pelos operacionais.

"Não sabemos se fugiu ou foi abandonada. Procuramos saber junto da população da zona onde a encontramos se teria dono mas até agora ninguém se acusou e a Kika está bem connosco", sublinhou.

No Alto Minho, os bombeiros voluntários de Viana do Castelo também adotaram, em setembro de 2015, uma cadela que tinha fugido.

A Nina passou a ser nova "recruta" da corporação, e tem como missão de alegrar o quartel.

"Quando algum de nós sai para uma emergência e é algo péssimo, chegamos aqui e temos a Nina à nossa espera. É uma alegria, ajuda a esquecer um bocado aquilo por que uma pessoa passa", disse, na altura à Lusa a bombeira estagiária Juliana Rodrigues.

A Nina enverga um colete vermelho e já tem um equipamento oficial, com as insígnias da corporação.

A cadela tem página no Facebook e já junta 7.713 amigos. É nas redes sociais que a corporação relata o dia-a-dia da Nina, para que as pessoas "possam acompanhar o seu crescimento" e "para quem quiser, poder ajudar com donativos".

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59