sicnot

Perfil

País

Quatro pessoas detidas no aeroporto de Lisboa depois de invadirem a pista

O aeroporto de Lisboa esteve esta noite temporariamente encerrado, por volta das 20:00 e durante 34 minutos, depois de quatro pessoas de nacionalidade argelina terem invadido a pista. Os invasores acabaram por ser detidos pela PSP. Durante este período, todas as aterragens foram desviadas e as partidas suspensas. A operação aérea já foi entretanto retomada mas há ainda muitos atrasos. Alguns voos acabaram por ser desviados para o Porto, Faro e Madrid.

Atualizado às 23:28

O jornal Público avança que se terá tratado de uma tentativa de imigração ilegal.

"As operações estiveram encerradas durante 34 minutos e alguns voos foram divergidos para Faro e para o Porto", afirmou à Lusa o porta-voz da ANA-Aeroportos de Portugal, Rui Oliveira.

De acordo com um passageiro de um dos voos desviados para o Porto, o comandante comunicou aos passageiros que não ia aterrar em Lisboa "por se encontrarem na pista pessoas não-identificadas que obrigaram a suspender o movimento dos aviões".

Depois de abastecer e já no regresso a Lisboa, o comandante voltou a transmitir a mesma informação aos passageiros.

A ANA não confirma a informação dada pelo piloto e o Comando Metropolitano da Polícia de Segurança Pública disse à Lusa "não haver qualquer ocorrência digna de registo".

O PÚBLICO sabe que se terá tratado de uma tentativa de imigração ilegal, com passageiros que viajavam em voo proveniente da Argélia.

Com Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.