sicnot

Perfil

País

Associação de Fertilidade congratula-se pela promulgação das "barrigas de aluguer"

© Regis Duvignau / Reuters

A presidente da Associação Portuguesa de Fertilidade (APF), Cláudia Vieira congratulou-se hoje com a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula a gestação de substituição considerando-o "um grande avanço civilizacional num país tão pequeno".

Em declarações à agência Lusa, Cláudia Vieira defendeu que a decisão anunciada no sábado à noite por Marcelo Rebelo de Sousa "mostrou que quer ir mais além e que não quer exclusões no seu próprio país".

"Foi um grande avanço civilizacional num país tão pequeno como o nosso. Mostrou que quer ir mais além e que não quer exclusões no seu próprio país. Não se trata de um capricho, estes casos são única e exclusivamente para pessoas com um problema de saúde perfeitamente identificado", sublinhou.

A dirigente da APF, com sede em Matosinhos, distrito do Porto, lembrou que quando em junho saiu o primeiro texto "havia dúvidas" e que "aquilo que o Bloco de Esquerda fez foi revê-lo, respondendo a essas dúvidas, após o que foi favoravelmente votado pela Assembleia da República e agora terminou com uma decisão favorável do Presidente da República".

Afirmando-se "feliz" pela promulgação, Cláudia Vieira entende que o diploma que agora ganha força de lei "vai refletir-se na legalização de uma prática que era proibida em Portugal, deixando de empurrar os casais para a procura de ajuda onde a gestação de substituição é legal ou, em alguns casos, recorrer à margem da lei".

"Isso preocupava-nos, porque todos os intervenientes nessa prática estavam desprotegidos", lembrou a dirigente da APF que reconhece que havia atividade marginal no apoio a essas pessoas.

"Claramente, não se pode tapar o sol com a peneira, ela acontecia em Portugal e isso não interessa a ninguém", acrescentou.

No novo cenário nascido da proposta do BE, entende Cláudia Vieira que a partir de agora "todos conhecem os seus direitos e estão salvaguardados os direitos da criança".

"A gestação de substituição foi um tema por nós discutido e defendido, representa a inclusão de uma faixa de portugueses inférteis numa lei que até ao momento os deixava de fora. Não é, nem nunca foi, um mero capricho de alguém", disse.

A promulgação do diploma da Assembleia da República foi divulgada através da página da Presidência da República na Internet.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.