sicnot

Perfil

País

Banhistas continuam a ignorar avisos de perigo das arribas nas praias do Algarve

LUSA

Dezenas de pessoas ignoram os alertas para o perigo de queda das arribas nas praias do Algarve, colocando-se em perigo e sem que as autoridades possam impedir a permanência nas zonas de risco.

"Infelizmente, continua a ser frequente a permanência de pessoas em locais de risco de queda das falésias nas praias, apesar dos avisos colocados e que identificam as zonas de perigo", disse à agência Lusa o comandante Santos Pereira, da Capitania do Porto de Portimão.

De acordo com este responsável, a Autoridade Marítima "não pode autuar as pessoas, mas apenas alertar para os riscos que correm ao permanecerem nas zonas perigosas".

O comandante da Capitania do Porto de Portimão recordou que as zonas de risco "estão identificadas com fotos e avisos colocados à entrada de cada praia, informando os locais seguros que podem ser utilizados pelos veraneantes".

Apesar da informação e dos sinais que alertam para o risco de derrocada, a reportagem da Lusa constatou em várias praias do Algarve a permanência de dezenas de pessoas, entre as quais crianças, em locais inseguros, ignorando os perigos.

Alguns veraneantes, que pediram para não serem identificados, disseram à Lusa que "estão conscientes do perigo", mas que vão continuar "a procurar e utilizar zonas de sombra junto às arribas".

Segundo dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), entre julho de 2015 e junho de 2016, registaram-se 21 desmoronamentos de arribas no Algarve, número que está acima da média anual dos últimos dez anos, que é de 12 ocorrências.

O diretor regional da APA, Sebastião Teixeira, afirmou que "este aumento de derrocadas foi consequência do fenómeno meteorológico registado em novembro de 2015 na zona de Albufeira, onde ocorreram chuvas intensas que terão provocado infiltrações e motivado a queda de arribas".

Estas ocorrências "que fizeram aumentar a média anual, registaram-se apenas no concelho de Albufeira", sublinhou o responsável, acrescentando que este ano "foram reforçados os alertas para os perigos junto às arribas".

"Felizmente que não ocorreram desmoronamentos em zonas utilizadas pelos banhistas, mas a continuada permanência nas zonas perigosas, faz aumentar o risco, colocando em perigo a vida das pessoas", alertou.

As autoridades marítimas e do ambiente reforçam os alertas e pedem aos banhistas que respeitem os sinais e a distância de segurança.

"A área considerada de segurança é calculada consoante a altura da arriba, devendo ser considera uma distância de uma vez e meia a altura da arriba", destacou Sebastião Teixeira.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.