sicnot

Perfil

País

Banhistas continuam a ignorar avisos de perigo das arribas nas praias do Algarve

LUSA

Dezenas de pessoas ignoram os alertas para o perigo de queda das arribas nas praias do Algarve, colocando-se em perigo e sem que as autoridades possam impedir a permanência nas zonas de risco.

"Infelizmente, continua a ser frequente a permanência de pessoas em locais de risco de queda das falésias nas praias, apesar dos avisos colocados e que identificam as zonas de perigo", disse à agência Lusa o comandante Santos Pereira, da Capitania do Porto de Portimão.

De acordo com este responsável, a Autoridade Marítima "não pode autuar as pessoas, mas apenas alertar para os riscos que correm ao permanecerem nas zonas perigosas".

O comandante da Capitania do Porto de Portimão recordou que as zonas de risco "estão identificadas com fotos e avisos colocados à entrada de cada praia, informando os locais seguros que podem ser utilizados pelos veraneantes".

Apesar da informação e dos sinais que alertam para o risco de derrocada, a reportagem da Lusa constatou em várias praias do Algarve a permanência de dezenas de pessoas, entre as quais crianças, em locais inseguros, ignorando os perigos.

Alguns veraneantes, que pediram para não serem identificados, disseram à Lusa que "estão conscientes do perigo", mas que vão continuar "a procurar e utilizar zonas de sombra junto às arribas".

Segundo dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), entre julho de 2015 e junho de 2016, registaram-se 21 desmoronamentos de arribas no Algarve, número que está acima da média anual dos últimos dez anos, que é de 12 ocorrências.

O diretor regional da APA, Sebastião Teixeira, afirmou que "este aumento de derrocadas foi consequência do fenómeno meteorológico registado em novembro de 2015 na zona de Albufeira, onde ocorreram chuvas intensas que terão provocado infiltrações e motivado a queda de arribas".

Estas ocorrências "que fizeram aumentar a média anual, registaram-se apenas no concelho de Albufeira", sublinhou o responsável, acrescentando que este ano "foram reforçados os alertas para os perigos junto às arribas".

"Felizmente que não ocorreram desmoronamentos em zonas utilizadas pelos banhistas, mas a continuada permanência nas zonas perigosas, faz aumentar o risco, colocando em perigo a vida das pessoas", alertou.

As autoridades marítimas e do ambiente reforçam os alertas e pedem aos banhistas que respeitem os sinais e a distância de segurança.

"A área considerada de segurança é calculada consoante a altura da arriba, devendo ser considera uma distância de uma vez e meia a altura da arriba", destacou Sebastião Teixeira.

Lusa

  • Vem lá chuva

    País

    A chuva vai voltar a Portugal continental a partir de quarta-feira e pelo menos até domingo, enquanto as temperaturas mínimas deverão subir.

  • "O Sporting é o um barco à deriva"
    2:26
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    A crise do Sporting foi o principal tema em O Dia Seguinte, esta segunda-feira. José Guilherme Aguiar censura Bruno de Carvalho por ter convidado Jorge Jesus para a comissão de honra da recandidatura. Já Rogério Alves não tem dúvidas que a contestação tem aumentado de tom devido à proximidade das eleições do Sporting. Rui Gomes da Silva pensa que toda a direção leonina é responsável pelo mau momento atual do clube.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Violação emitida em direto no Facebook

    Mundo

    Três homens foram detidos na Suécia, por suspeitas de violação de uma mulher, num apartamento a 70 quilómetros da capital. Os suspeitos filmaram o ato de violência e exibiram-no em direto no Facebook.

  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.