sicnot

Perfil

País

Cientistas portugueses contribuem para telescópio que terá 2500 antenas

Cientistas de sete instituições portuguesas contribuem para a construção de um telescópio, que terá 2.500 antenas e poderá rastrear mil milhões de galáxias, e lideram a inserção de tecnologias da informação e do conceito de sustentabilidade energética.

O coordenador nacional do 'Engage SKA' (roteiro nacional de infraestruturas de relevância estratégica), Domingos Barbosa, disse hoje à agência Lusa que Fernando Camilo é o líder científico do projeto SKA, na África do Sul, e os restantes portugueses participam nos consórcios de trabalho da iniciativa internacional que "tem de ter a capacidade de observar, pelo menos, 40% do céu todas as noites e isto é fantástico porque permite ter um volume de dados muito grande".

Com projetos piloto definidos para África do Sul e Austrália, o SKA "vai ser a máquina que mais dados irá produzir nos próximos 20 anos" ou seja, "cerca de 10 vezes mais dados do que o tráfego de internet mundial hoje", exemplificou Domingos Barbosa.

Especialistas do Instituto de Telecomunicações, das universidade do Porto, Aveiro, Coimbra, Évora e Lisboa, e do Politécnico de Beja estão no projeto que envolve, no total das duas fases, um investimento de cerca de dois mil milhões de euros, e no qual Portugal ainda não decidiu se participa.

Os portugueses estão em grupos de trabalho científicos e a sua participação relaciona-se com a definição de requisitos de desempenho exigidos ao aparelho.

"Os portugueses lideram dois aspetos que vão ser fundamentais para a construção e vivência do SKA durante várias décadas" - a inserção de tecnologias da informação, como a 'cloud', e a sustentabilidade energética, a partir da experiência em energias renováveis, disse Domingos Barbosa.

"O conceito de computação em nuvem, está a ser liderado por Portugal", visando melhorar a gestão operacional do SKA, explicou Domingos Barbosa, apontando como exemplo, a necessidade de "virar as antenas todas ao mesmo tempo, orientar as antenas para determinada estrela ou galáxia e [definir] para onde irão os dados [recebidos] enquanto esperam ser processados".

Realçou que este projeto "vai colocar enormes desafios à ciência e tecnologia e os grupos científicos têm de encontrar formas de extrair informação da quantidade de dados que vai chegar".

Por outro lado, "foi graças a Portugal que o conceito de sustentabilidade energética fez o seu caminho no SKA que está a incorporar conceitos das energias renováveis desenvolvidos" no país, acrescentou.

Na área científica, é necessário definir as características do aparelho para poder detetar planetas que tenham magnetosferas, como a terra, com condições propícias à vida, assim como as primeiras estrelas que se formaram no universo ou colisões de buracos negros.

A fase de pré-construção e design, desenvolvida por equipas cerca de 20 países, com centenas de engenheiros e cientistas, entre os quais os portugueses, consiste em desenhar "a máquina da melhor forma possível, com um custo o mais realista possível", incorporando a tecnologia dos sensores da informação, como antenas e sensores.

Trata-se "construir uma ciberestrutura para recolher todos os dados dos sensores, injetá-los num supercomputador e depois distribui-los por centros de dados espalhados pelo mundo", resumiu.

A primeira fase da SKA, com a instalação do equipamento, custa 650 milhões de euros e começa a partir de 2018 ou 2019, mas já foi instalado um projeto piloto (o MeerKAT), na África do Sul, que corresponde a 1% ou 2% do projeto, com 64 antenas.

Na segunda fase, será expandido para mais países, como Moçambique, e no final o projeto terá 2.500 antenas, espalhadas por centenas de quilómetros, disse Domingos Barbosa.

Lusa

  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • Capacetes Brancos agradecem Óscar para filme sobre a guerra na Síria
    1:34

    Óscares 2017

    O Óscar para melhor documentário curto foi atribuído a um filme sobre a guerra na Síria. "The White Helmets" retrata o trabalho dos Capacetes Brancos, uma equipa de voluntários que ajuda no salvamento e resgate de habitantes sírios atingidos pelo conflito no país. O Fundador dos Capacetes Brancos já veio fazer um agradecimento público pela atribuição deste galardão. Raed Saleh diz que é uma motivação para os voluntários que todos os dias arriscam a vida para salvar outras pessoas.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16