sicnot

Perfil

País

Sindicato do SEF afirma que houve falhas de segurança no aeroporto de Lisboa

Quatro argelinos foram detidos no Aeroporto Humberto Delgado, no sábado, depois de serem apanhados a circular na pista de aterragem. O sindicato do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) afirma ter havido falhas.

© Rafael Marchante / Reuters

Manuela Niza, do sindicato dos SEF, disse que a falha, ainda que ligeira e colmatada de imediato, deve servir para se refletir. A representante do sindicato lembra que este não é um caso isolado e defende que é preciso ter uma atenção redobrada.

Já a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, disse que, apesar do sucedido, o protocolo de segurança foi cumprido.

O episódio decorreu no sábado, pelas 20h00, quando quatro cidadãos de nacionalidade argelina foram detidos pelas autoridades, depois de serem vistos a circular na pista de aterragem do aeroporto de Lisboa, com o objetivo de entrar na Europa, numa tentativa de imigração ilegal.

A pista esteve fechada cerca de meia hora e vários voos (incluindo-se cinco da TAP) foram desviados para Faro e para a cidade do Porto.

No entanto, apesar de estar confirmado que não houve ligações a atos terroristas, mas apenas uma tentativa de entrada ilegal na Europa, decorre uma investigação no sentido de perceber que falha de segurança esteve na origem do acesso dos passageiros a zonas restritas do aeroporto.

Os quatro argelinos, detidos pela PSP, vão ser hoje ouvidos por um juíz.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.