sicnot

Perfil

País

Ano de 2005 mantém recorde de trânsito na Ponte 25 de Abril em 50 anos

Lusa

O ano de 2005 continua a ser aquele em que a Ponte 25 de Abril, que liga Lisboa e Almada, recebeu o maior número de viaturas - cerca de 57 milhões, quase mais sete milhões do que em 2015.

A ponte do estuário do Tejo, inaugurada a 06 de agosto de 1966, cresceu no final do século XX com a ampliação do tabuleiro rodoviário de quatro para seis faixas e a introdução da circulação de comboios.

A criação de novas faixas rodoviárias aconteceu em 1998, com o objetivo de responder ao elevado volume de tráfego, mas já em 1990 tinha sido aberta uma quinta faixa, conhecida como "a noiva", por ser pintada de branco, e que funcionava como via reversível, aberta para norte de manhã e para sul ao fim da tarde.

Já a intenção de instalar um comboio na ponte "esteve sempre presente nos planos dos projetistas, que desde cedo idealizaram e conceberam a travessia do Tejo", disse à agência Lusa o arquiteto e autor do livro "A Ponte Inevitável", Luís F. Rodrigues.

A travessia só passou a ter um tabuleiro ferroviário em 1999. Atualmente, atravessam a ponte todos os dias úteis 143 comboios da Fertagus, que circulam em intervalos de dez minutos nas horas de ponta, segundo informação da empresa.

Ao nível do fluxo rodoviário, em 1970 atravessaram a Ponte 25 de Abril cerca de seis milhões de veículos (6.133.000), enquanto em 2015 foram mais de 50 milhões de viaturas (50.564.545), segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) enviados à Lusa.

Ao longo dos 50 anos da existência da ponte, o tráfego rodoviário foi aumentando, ano após ano, até 2005, altura em que se verificou a mais elevada afluência de que há registo, com a circulação de mais de 57 milhões de viaturas (57.028.695).

A tarifa a pagar por um veículo de classe 1 era de dez escudos em 1966, tendo-se verificado, posteriormente, sucessivos aumentos.

"Em 1994, o Governo anunciava um aumento de portagens na Ponte 25 de Abril na ordem dos 50%" -- de 100 para 150 escudos (50 para 75 cêntimos) -, o que motivou o protesto dos automobilistas a 24 de junho de 1994, conhecido por 'buzinão'", refere o arquiteto Luís F. Rodrigues.

Hoje, atravessar a ponte custa 1,70 euros (corresponde a 340 escudos) para os veículos de classe 1, de acordo com informação da LusoPonte, entidade que explora a infraestrutura desde 01 de janeiro de 1996 - antes estava sob responsabilidade da Junta Autónoma das Estradas.

No livro "A Ponte Inevitável", Luís F. Rodrigues assegura que a obra foi um projeto viável economicamente.

"Apesar do custo de construção da ponte ter sido avaliado em cerca de dois milhões de contos, as despesas relacionadas com o financiamento, manutenção e exploração resultaram num custo final em 1986 (data referente ao prazo de amortização do financiamento, 20 anos após a conclusão da obra -- 1966) de 4,49 milhões de contos", escreveu Luís F. Rodrigues.

O valor acumulado das receitas de portagens, acrescentou, perfez o custo final da obra em 1983, "três anos antes do prazo previsto para o final do pagamento do empréstimo à banca".

Segundo o arquiteto, "a contabilidade de receita acumulada gerada pela ponte não parou de crescer: em 1976, esse valor situava-se em 1,83 milhões de contos; em 1986, 7,34 milhões de contos; em 1996, 29,30 milhões de contos; em 2006 -- passados quatro anos da entrada em vigor do euro -, esse valor ascendia a 407,90 milhões de euros; em 2013, 657,01 milhões de euros".

Porém, aos valores da receita "há que deduzir os custos permanentes de manutenção (os quais são variáveis, mas rondam, em média, 15% a 20% do valor das receitas)", sublinhou Luís F. Rodrigues.

Sobre o futuro da Ponte 25 de Abril, que comemora este ano o cinquentenário, o autor da obra "A Ponte Inevitável" defende que existe "zelo civilizacional" para com a infraestrutura, como prova a abertura do procedimento de classificação, "justificado pelo seu 'valor singular, valor urbanístico, valor simbólico, valor artístico/estético, valor de engenharia e valor histórico'".

Este processo foi uma iniciativa da Direção-Geral do Património Cultural, num despacho de 27 de janeiro de 2015.

Apesar de ainda não existir uma decisão quanto à classificação, a infraestrutura de aço, pintada de vermelho alaranjado, já é um ícone da zona de Lisboa, com relevância a nível nacional e internacional.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.