sicnot

Perfil

País

Argelinos detidos no aeroporto vão pedir asilo por razões humanitárias

Uma das advogadas dos quatro argelinos detidos sábado no aeroporto de Lisboa anunciou que vai fazer esta terça-feira um pedido de asilo por razões humanitárias, enquanto decorre o processo de expulsão pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Os quatro homens foram detidos, por violação das regras de segurança, quando tentaram fugir ao controlo de passaportes, passaram por uma saída de emergência e entraram numa zona restrita da pista do aeroporto de Lisboa.

Em declarações emitidas pelas televisões, a advogada Liliana Rute Ferreira explicou que, após o interrogatório judicial de hoje, o juiz decidiu colocar os quatro argelinos à guarda do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), a quem caberá decidir se aqueles cidadãos serão expulsos de Portugal.

Independentemente desse processo sobre a expulsão devido a 'permanência ilegal em território nacional', que deve ser decidido em dois meses, os quatro argelinos serão julgados pelos crimes que lhes são imputados, um dos quais poderá ser de 'atentado à segurança de transporte por ar, água ou caminho-de-ferro', previsto e punido pelo artigo 288 do Código Penal.

A data de julgamento sumário ainda é desconhecida, mas a advogada diz que terá de ocorrer no prazo de 60 dias em que estão a aguardar decisão do SEF.

Liliana Ferreira adiantou aos jornalistas que "hoje mesmo seguirá por fax o pedido de asilo por razões humanitárias", lembrando que isto é independente do julgamento dos crimes que lhe são imputados.

A advogada disse que foi "o desespero" que os fez tentar fugir às autoridades, dado que na Argélia passam fome e não têm meios de subsistência.

A própria ministra da Administração Interna, Constança de Sousa, disse no domingo que a invasão de pista não foi um ato terrorista, mas sim uma "tentativa desesperada de imigração ilegal".

De acordo com a PSP, o aeroporto de Lisboa esteve encerrado no sábado durante 34 minutos depois de os quatro homens terem fugido ao controlo de passaportes e entrado "numa zona restrita", mais concretamente na pista de aterragem.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Israel volta a bombardear posições do Hamas em Gaza

    Mundo

    O exército israelita voltou a bombardear esta segunda-feira posições do movimento Hamas na Faixa de Gaza em resposta ao lançamento de projéteis em direção a Israel pelas milícias palestinianas, informou um comunicado militar.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.