sicnot

Perfil

País

Argelinos detidos no aeroporto vão pedir asilo por razões humanitárias

Uma das advogadas dos quatro argelinos detidos sábado no aeroporto de Lisboa anunciou que vai fazer esta terça-feira um pedido de asilo por razões humanitárias, enquanto decorre o processo de expulsão pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Os quatro homens foram detidos, por violação das regras de segurança, quando tentaram fugir ao controlo de passaportes, passaram por uma saída de emergência e entraram numa zona restrita da pista do aeroporto de Lisboa.

Em declarações emitidas pelas televisões, a advogada Liliana Rute Ferreira explicou que, após o interrogatório judicial de hoje, o juiz decidiu colocar os quatro argelinos à guarda do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), a quem caberá decidir se aqueles cidadãos serão expulsos de Portugal.

Independentemente desse processo sobre a expulsão devido a 'permanência ilegal em território nacional', que deve ser decidido em dois meses, os quatro argelinos serão julgados pelos crimes que lhes são imputados, um dos quais poderá ser de 'atentado à segurança de transporte por ar, água ou caminho-de-ferro', previsto e punido pelo artigo 288 do Código Penal.

A data de julgamento sumário ainda é desconhecida, mas a advogada diz que terá de ocorrer no prazo de 60 dias em que estão a aguardar decisão do SEF.

Liliana Ferreira adiantou aos jornalistas que "hoje mesmo seguirá por fax o pedido de asilo por razões humanitárias", lembrando que isto é independente do julgamento dos crimes que lhe são imputados.

A advogada disse que foi "o desespero" que os fez tentar fugir às autoridades, dado que na Argélia passam fome e não têm meios de subsistência.

A própria ministra da Administração Interna, Constança de Sousa, disse no domingo que a invasão de pista não foi um ato terrorista, mas sim uma "tentativa desesperada de imigração ilegal".

De acordo com a PSP, o aeroporto de Lisboa esteve encerrado no sábado durante 34 minutos depois de os quatro homens terem fugido ao controlo de passaportes e entrado "numa zona restrita", mais concretamente na pista de aterragem.

Lusa