sicnot

Perfil

País

PSD sem posição nova sobre "barrigas de aluguer" após pedido de fiscalização do CDS

O vice-presidente da bancada parlamentar do PSD António Leitão Amaro disse não haver novas indicações do partido sobre a gestação de substituição, após o CDS ter anunciado que vai pedir a fiscalização sucessiva da constitucionalidade do diploma.

O PSD tinha pedido o adiamento para a próxima sessão legislativa da reapreciação do diploma, entretanto já promulgado pelo Presidente da República este fim de semana.

"Essa foi a última discussão que tivemos. E foi uma convicção que formulámos há uma semana e que mantemos, e por isso quisemos uma discussão adicional", disse António Leitão Amaro, em conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa.

A questão motivou agora renovado interesse depois de na segunda-feira o CDS-PP anunciar que vai tentar reunir o número de assinaturas necessárias para pedir a fiscalização sucessiva da constitucionalidade do diploma que regula a gestação de substituição, promulgado no sábado pelo Presidente da República.

O jornal Público noticia hoje na sua versão digital que fonte parlamentar do PSD reconheceu já ser "natural" alguns deputados do partido subscreverem o texto dos centristas.

"Para nós, CDS, surgem-nos dúvidas e, sobretudo, o que entendemos é que será positivo o Tribunal Constitucional pronunciar-se de facto sobre a promulgação desta lei, porque para nós o mais relevante é acautelar um direito constitucional que é o conhecimento da identidade genética por parte da criança", disse na segunda-feira à agência Lusa a deputada do CDS-PP Isabel Galriça Neto.

O diploma do BE que regula a gestação de substituição foi aprovado no parlamento a 20 de julho, com alterações, na sequência do veto presidencial de 8 de junho, e introduz na legislação portuguesa a possibilidade de uma mulher suportar uma gravidez por conta de outrem e entregar a criança após o parto, renunciando aos poderes e deveres da maternidade, a título excecional e com natureza gratuita, para casos como a ausência de útero.

De acordo com a Constituição, podem requerer ao Tribunal Constitucional "a declaração de inconstitucionalidade ou de ilegalidade, com força obrigatória geral", um décimo dos deputados à Assembleia da República, ou seja, 23 parlamentares.

Como o CDS-PP apenas elegeu 18 deputados, será necessário que mais cinco parlamentares de outro partido se juntem ao pedido.

"Aquilo que vamos fazer é procurar reunir um conjunto de deputados que efetivamente tenham esta mesma visão", disse Isabel Galriça Neto, insistindo que os democratas-cristãos entendem que a lei deve garantir o conhecimento da identidade genética sem recurso a qualquer outro tipo de instituições, tal como está inscrito na Constituição.

A 8 de junho, o Presidente da República vetou a primeira versão do diploma porque várias recomendações incluídas em pareceres do Conselho Nacional de Ética e para as Ciências da Vida não tinham sido transpostas para o articulado.

Posteriormente, o legislador alterou o diploma, incorporando recomendações do Conselho Nacional de Ética, e o Presidente da República acabou por o promulgar no fim de semana.

A primeira versão do diploma foi aprovada no parlamento a 13 de maio, com votos favoráveis de PS, BE e PEV, PAN e de 24 deputados do PSD, entre os quais o presidente deste partido e ex-primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

A maioria da bancada do PSD votou contra, assim como PCP, CDS-PP e dois deputados do PS, e três sociais-democratas abstiveram-se.

A 20 de julho, a nova versão do diploma foi aprovada com votos favoráveis de BE, PS, PEV, PAN e de 20 deputados do PSD, com votos contra da maioria dos deputados do PSD, do PCP, do CDS-PP e de dois deputados do PS, e a abstenção de oito deputados sociais-democratas, entre os quais Pedro Passos Coelho.

Lusa

  • BE aplaude decisão de Marcelo em promulgar barrigas de aluguer
    0:22

    País

    O BE aplaude a decisão do Presidente da República de promulgar o decreto que legaliza a "gestação de substituição" ou "as barrigas de aluguer". Depois de ter vetado a primeira versão do texto, Rebelo de Sousa promulgou este sábado o diploma reformulado. Moisés Ferreira, deputado do Bloco de Esquerda, considera que as alterações introduzidas serviram para reforçar e clarificar o diploma, ainda que não tenham sido atendidas todas as recomendações feitas pelo Presidente da República.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59