sicnot

Perfil

País

Armação de Pêra com lugares marcados de madrugada

Armação de Pêra com lugares marcados de madrugada

Um vídeo colocado nas redes sociais fez estalar uma polémica antiga sobre a marcação de lugares na praia de Armação de Pêra. Há quem critique quem deixa o chapéu de Sol montado sem estar na praia, mas também há quem aponte o dedo ao tamanho das concessões que limitam o espaço disponível no areal.

Ainda a manhã mal começou e parte do areal já tem dono. Os chapéus montados e as toalhas estendidas são deixados muito cedo para marcar lugar, uma estratégia que se repete há anos, mas que incomoda alguns banhistas.

A meio do dia, no pico do verão, há banhistas que aguentam de pé, por falta de espaço para estender a toalha.

O areal cada vez mais curto, leva a que alguns questionem os critérios para o tamanho das concessões que, legalmente, podem ocupar metade da frente de praia.

A Capitania esclarece que as concessões são definidas nos planos de ordenamento da orla costeira e o seu tamanho varia de ano para ano, consoante a alteração da praia e das correntes.

Em casos extremos, os concessionários são obrigados a abdicar de parte do espaço a que têm direito. O oposto também acontece e por isso a Autoridade Marítima fiscaliza no inicio e ao longo da época balnear muitas destas estruturas.

Os concessonarios abordados pela SIC não quiseram falar, mas admitem que em Armação de Pêra a falta de espaço também se sente nas zonas pagas. A maior parte dos toldos é alugada com meses de antecedência e por toda a temporada, como mostram as cadeiras amarradas a cadeado e deixadas na praia de uns dias para os outros.

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.