sicnot

Perfil

País

Armação de Pêra com lugares marcados de madrugada

Armação de Pêra com lugares marcados de madrugada

Um vídeo colocado nas redes sociais fez estalar uma polémica antiga sobre a marcação de lugares na praia de Armação de Pêra. Há quem critique quem deixa o chapéu de Sol montado sem estar na praia, mas também há quem aponte o dedo ao tamanho das concessões que limitam o espaço disponível no areal.

Ainda a manhã mal começou e parte do areal já tem dono. Os chapéus montados e as toalhas estendidas são deixados muito cedo para marcar lugar, uma estratégia que se repete há anos, mas que incomoda alguns banhistas.

A meio do dia, no pico do verão, há banhistas que aguentam de pé, por falta de espaço para estender a toalha.

O areal cada vez mais curto, leva a que alguns questionem os critérios para o tamanho das concessões que, legalmente, podem ocupar metade da frente de praia.

A Capitania esclarece que as concessões são definidas nos planos de ordenamento da orla costeira e o seu tamanho varia de ano para ano, consoante a alteração da praia e das correntes.

Em casos extremos, os concessionários são obrigados a abdicar de parte do espaço a que têm direito. O oposto também acontece e por isso a Autoridade Marítima fiscaliza no inicio e ao longo da época balnear muitas destas estruturas.

Os concessonarios abordados pela SIC não quiseram falar, mas admitem que em Armação de Pêra a falta de espaço também se sente nas zonas pagas. A maior parte dos toldos é alugada com meses de antecedência e por toda a temporada, como mostram as cadeiras amarradas a cadeado e deixadas na praia de uns dias para os outros.

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.