sicnot

Perfil

País

Festival Andanças evacuado devido a incêndio no parque de estacionamento

Alguns dos carros destruídos, numa foto partilhada na rede social Facebook.

Mais de 100 viaturas foram afetadas por um incêndio que deflagrou num carro no parque de estacionamento do festival Andanças, em Castelo de Vide, devido às altas temperaturas. As cerca de 4 mil pessoas que estavam no recinto foram retiradas por precaução. Não há informação de feridos.

Última atualização às 18:38

Ao que tudo indica, o fogo terá começado após uma explosão num carro, cerca das 15:00. O incêndio espalhou-se rapidamente a outros veículos.

O comandante distrital de operações de socorro, Belo Costa, indicou não haver registo de danos pessoais, mas "prejuízos materiais enormes", com centenas de viaturas danificadas, em Castelo de Vide.

"Estavam quatro mil pessoas no recinto, que foram retiradas por precaução", referiu Belo Costa, frisando que foi acionado o plano de emergência do festival e que "funcionou".

O incêndio foi entretanto dominado, segundo informação da Proteção Civil e da GNR pelas 16:40. Cerca de 160 operacionais, com o apoio de 42 viaturas e quatro meios aéreos, combateram as chamas.

Rui Florido/SIC

Festival deve ser retomado ainda hoje

Em declarações aos jornalistas, Graça Gonçalves, da organização, explicou que "há condições para manter o festival em funcionamento" e que, da parte dos promotores, "está tudo a postos para continuar", aguardando-se apenas a autorização das diferentes forças de segurança e socorro.

Haverá, no entanto, algumas alterações na programação.

Rui Florido/SIC

O "Andanças" - Festival Internacional de Danças Populares decorre desde segunda-feira nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide.

Promovida pela PédeXumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança, a 21.ª edição do festival esperava receber, até domingo, 40 mil visitantes, numa área de 28 hectares.

EDGAR LIB\303\223RIO

Organização do festival diz ter seguro que cobre danos de incêndio

A organização do festival tem um seguro que cobre os danos resultantes do incêndio.

"A organização tem um seguro que cobre os danos e agora estamos em contacto com a seguradora para avaliar tudo", disse aos jornalistas, no local, Graça Gonçalves, pouco depois das 17:00.

"Sabemos apenas que o incêndio deflagrou no parque de estacionamento, supostamente num carro que se incendiou e depois teve um efeito de contágio, atingindo várias dezenas ou mesmo centenas de carros. Não podemos avançar um número porque essa peritagem está ainda a decorrer", afirmou o presidente da Câmara de Castelo de Vide, António Pita.

EDGAR LIB\303\223RIO

GNR investiga causas do incêndio

As causas do incêndio estão a ser investigadas no terreno pela GNR, disse à agência Lusa fonte da força de segurança. Os indícios apontam para que fogo tenha tido origem numa viatura num dos parques de estacionamento.

De acordo com a mesma fonte, a investigação só passará para a Polícia Judiciária se forem detetados indícios de origem dolosa. A GNR vai proceder também à identificação das viaturas afetadas, admitindo ser um "trabalho moroso".

Com Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.