sicnot

Perfil

País

Mulher detida em Lisboa com dois quilos de cocaína numa cadeira de rodas

(Arquivo)

PEDRO NUNES

Uma mulher de nacionalidade estrangeira foi detida no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com 2,340 quilos de cocaína, que transportava numa cadeira de rodas, anunciou hoje a Polícia Judiciária (PJ).

A mulher, suspeita do crime de tráfico de droga, foi identificada e detida por elementos da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da PJ, com a colaboração do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, adianta a Polícia Judiciária em comunicado.

"À suspeita, de 40 anos de idade, foram apreendidas cerca de 2,340 quilogramas de cocaína, suficientes para, pelo menos, 23.400 doses individuais daquele produto estupefaciente, que transportava dissimulado numa cadeira de rodas", adianta a PJ.

A detida, de 40 anos, foi presente a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.