sicnot

Perfil

País

Festas d'Agonia em Viana não vão ter tourada este ano

ARMENIO BELO

​Um grupo antitouradas de Viana do Castelo congratulou-se com o anúncio de que este ano não haverá corrida de touros durante as festas d'Agonia e afirmou que a decisão vem demonstrar que "imperou o bom senso".

"Estes senhores fizeram o que é correto. Não vale a pena insistirem porque em Viana só vão ter prejuízo", afirmou à agência Lusa a porta-voz do grupo local de ativistas antitouradas, Ana Macedo.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa não quis comentar o assunto.

O movimento "Vianenses pela Liberdade" anunciou que este ano não vai realizar uma tourada "por não conseguir enquadrar" o espetáculo no programa da romaria d' Agonia, que vai decorrer entre 19 e 21 de agosto.

"Este ano não vamos realizar a tourada porque não a conseguirmos enquadrar no programa das festas d' Agonia. No dia 20 de agosto, sábado, realiza-se durante a tarde a procissão ao mar e no domingo à tarde há o cortejo etnográfico. Como a corrida de touros se realizaria às 17h00 ia colidir com esses números", disse o porta-voz do movimento, José Carlos Durães.

Aquele movimento cívico foi criado em 2009, depois de a Câmara de então liderada por Defensor Moura ter aprovado, por proposta da maioria socialista, uma declaração afirmando Viana como cidade "antitouradas", a primeira do país.

Já a responsável pelo movimento antitouradas manifestou-se "muito contente" com a decisão e acrescentou ser "um dia muito feliz para Viana do Castelo".

"Estamos muitos satisfeitos e desejamos que os aficionados das touradas vivam as festas de Nossa Senhora da Agonia como devem ser vividas, com alegria e amor".

"A romaria d'Agonia deve ser vivida sem sobressaltos e sem guerras mas com amor, tal como Viana é conhecida", sustentou Ana Macedo que deixou ainda um aviso à organização dos espetáculos tauromáquicos.

"Se no próximo ano insistirem, cá estaremos", frisou, referindo-se à garantia de José Carlos Durães que em 2017 a tourada já tem data marcada para o dia 20 de agosto, dia da padroeira dos pescadores, Nossa Senhora d'Agonia e da procissão ao mar.

Em 2012, para contrariar a proibição camarária de realização de touradas no concelho, a Federação Portuguesa das Associações Taurinas "Prótoiro" realizou em agosto uma tourada no concelho, a primeira depois da aprovação daquela declaração municipal, corrida que se repetiu em 2013.

Em 2014, já com organização do movimento "Vianenses pela Liberdade", a corrida inicialmente prevista para 24 de agosto foi adiada para 07 de setembro "devido a problemas administrativos criados pela Câmara de Viana do Castelo".

Desde 2012 que as touradas têm decorrido em Viana do Castelo porque o Tribuna Administrativo e Fiscal de Braga aceita as providências cautelares apresentadas pelos movimentos de aficionados, para suspender os indeferimentos municipais.

Lusa

  • Ex-autarca acusa Governo de não respeitar vontade de Viana do Castelo contra touradas
    0:39

    País

    Em Viana do Castelo protesta-se contra a corrida de touros desta tarde. Decorre uma manifestação organizada por três entidades, entre elas a Plataforma Anti Touradas. A contestação acontece depois do Tribunal Administrativo de Braga ter autorizado a realização da tourada, contrariando a decisão da Câmara Municipal. O ex-presidente da Câmara de Viana do Castelo, Defensor de Moura, acusa o Governo de não estar a respeitar a vontade da autarquia e dos cidadãos.

  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares