sicnot

Perfil

País

Festival Andanças acorda "tranquilo"

EDGAR LIB\303\223RIO

O festival Andanças, em Castelo de Vide, acordou hoje "tranquilo", com os festivaleiros a fazer a vida "normal". A Polícia Judiciária está no parque de estacionamento onde ontem arderam 422 viaturas.

"O festival está a prosseguir, as pessoas continuam calmas, a fazer a sua vida normal de festivaleiras, pois os palcos e a cantina estão a funcionar", relatou à agência Lusa Catarina Serrazina, da organização do "Andanças".

Depois do enorme incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento e que destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, a organização e as autoridades retomaram hoje de manhã a recolha de dados junto dos lesados, ao passo que o festival reiniciou as suas atividades cerca das 9:30.

"Há muitas pessoas que foram lesadas pelo incêndio e nós estamos a prestar o apoio necessário, com vários psicólogos a fazer atendimento. Estamos a acompanhar uma equipa da GNR que está a identificar as matrículas dos carros, os dados das pessoas lesadas e os valores que estavam no interior das viaturas", disse.

Segundo Catarina Serrazina, "não há ainda" uma tomada de posição por parte da seguradora com quem a organização contratualizou o seguro do festival, uma vez que "estão ainda a ser recolhidos dados" junto dos proprietários dos veículos.

A Associação Portuguesa de Seguros deverá fazer hoje uma comunicação sobre o incêndio em Castelo de Vide, no distrito de Portalegre, depois de uma reunião realizada na quarta-feira à tarde para analisar a situação e de ter enviado representantes para o local, disse à Lusa fonte da entidade.

"Houve muitos carros que arderam que eram de artistas e voluntários e, num ambiente de solidariedade brutal com o festival, estão a continuar a exercer as suas funções e a fazer acontecer o festival", sublinhou Catarina Serrazina.

Além de elementos da Policia Judiciária (PJ), que continuam a proceder a investigações no local, a GNR mobilizou hoje de manhã para o terreno uma equipa de investigação criminal "reforçada", segundo disse à Lusa o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Portalegre da GNR, tenente-coronel Carlos Belchior.

"Os trabalhos não só abrangem a continuidade da averiguação das causas do incêndio, como, principalmente, a fase de identificação de viaturas e proprietários que vai ser um trabalho exaustivo devido ao elevado número carros", disse.

O oficial acrescentou que as causas do incêndio estão por apurar, afirmando que "ainda não há uma posição formal sobre o assunto", embora os indícios apontem para a "inexistência de mão criminosa".

O Andanças - Festival Internacional de Danças Populares decorre desde segunda-feira nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide.

Promovida pela PédeXumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança, a 21.ª edição do festival espera receber, até domingo, 40 mil visitantes, numa área de 28 hectares.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.