sicnot

Perfil

País

Madeira sob aviso laranja amanhã e sábado

(Arquivo)

As regiões montanhosas da ilha da Madeira vão estar sob aviso laranja sexta-feira e sábado devido ao tempo quente, segundo informações do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Na quarta-feira, o IPMA adiantou em comunicado que o arquipélago da Madeira vai estar entre sexta-feira e terça-feira da próxima semana sob a influência direta de uma massa de ar tropical continental, quente e seco.

Por isso, "a temperatura máxima do ar deverá atingir valores entre 29 e 33ºC e a temperatura mínima deverá variar entre 20 e 25ºC. Estes valores serão acompanhados por humidade relativa muito baixa, em particular acima de 200/300 metros de altitude", indicou o Instituto.

Nas regiões montanhosas e nos extremos leste e oeste da ilha da Madeira, prevê-se vento temporariamente moderado a forte, com rajadas da ordem de 70 a 80 quilómetros por hora.

O IPMA alertou também para a possibilidade da presença de poeiras na baixa atmosfera oriundas do norte de África.

"No entanto, atendendo às concentrações previstas, não se espera que tenham impacto relevante no arquipélago", é indicado na nota.

De acordo com o Instituto, as regiões montanhosas da Madeira vão estar sob 'Aviso Laranja' entre as 10:00 de sexta-feira e as 17:00 de sábado devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima.

O 'Aviso Laranja', o segundo mais grave de uma escala de quatro, é emitido devido a uma situação meteorológica de risco moderado e elevado.

O arquipélago da Madeira encontra-se sob 'Aviso Amarelo' desde as 04:00 de hoje e até às 17:00 de sábado devido ao tempo quente.

O 'Aviso Amarelo' é o terceiro mais grave numa escala de quatro e significa "risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica".

O Instituto prevê para hoje na Madeira céu geralmente pouco nublado, apresentando períodos de maior nebulosidade nas vertentes norte e na ilha de Porto Santo.

Está também previsto vento moderado de nordeste, soprando forte com rajadas até 80 quilómetros por hora nos extremos leste e oeste da ilha da Madeira, e nas zonas montanhosas, possibilidade de neblinas durante a madrugada e manhã na costa sul e vento moderado a bonançoso.

No Funchal as temperaturas vão oscilar entre 20 e 28 graus Celsius.

Lusa

  • O tempo para hoje
    0:32

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje nas regiões do norte e centro céu geralmente muito nublado, diminuindo gradualmente de nebulosidade nas regiões do interior a partir da manhã, períodos de chuva fraca ou chuvisco até ao início da tarde, em especial no litoral. Está também previsto vento fraco a moderado do quadrante oeste, soprando moderado de noroeste durante a tarde, neblina ou nevoeiro matinal, pequena subida da temperatura mínima nas regiões do litoral e pequena descida nas regiões do interior e descida da máxima, em especial no interior.

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.