sicnot

Perfil

País

Seguradoras aconselham donos de carros danificados no Andanças a acionarem seguros

EDGAR LIBÓRIO/LUSA

A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) aconselhou hoje os proprietários de veículos danificados no incêndio de quarta-feira no estacionamento do festival Andanças, em Castelo de Vide, a acionarem os respetivos seguros individuais, por forma a serem indemnizados.

"Independentemente das responsabilidades que vierem a ser apuradas, os lesados que possuam seguros individuais de danos próprios das viaturas que incluam a cobertura de incêndio podem desde já dirigir-se à respetiva seguradora para verem a sua perda indemnizada", informou a Associação Portuguesa de Seguradores (APS) em comunicado.

A associação acrescentou que "o mesmo devem fazer os lesados que tenham seguros específicos das mercadorias que eventualmente estivessem dentro das viaturas afetadas", ressalvando que "só após o apuramento das circunstâncias em que o incêndio ocorreu se pode saber se o risco em questão foi objeto de cobertura por algum ou alguns seguros".

"Podem estar em causa seguros de responsabilidade - caso se venha a apurar a existência de responsabilidade de alguma pessoa ou entidade, que se consiga identificar - ou seguros de danos que incluam a cobertura específica de incêndio", apontou a APS.

O incêndio que deflagrou na quarta-feira num parque de estacionamento nas imediações do festival de dança, que se realiza no distrito de Portalegre, destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, segundo a Proteção Civil.

Embora sem ferimentos graves, três pessoas foram assistidas no local, duas das quais foram transportadas para o hospital de Portalegre, por inalação de fumos.

No mesmo dia, a organização do festival assegurou ter "um seguro que cobre os danos" resultantes do incêndio, encontrando-se na altura em contactos com a seguradora para fazer uma avaliação.

Na nota emitida hoje, a APS informou ainda que "está a efetuar o acompanhamento da situação com o objetivo de apurar a dimensão dos danos cobertos por seguros", o que "ainda deve demorar algum, atendendo à indefinição que envolve as circunstâncias em que o evento se deu e à multiplicidade de seguros que podem vir a ser acionados".

Hoje, o festival acordou "tranquilo", segundo a organização, com os festivaleiros a fazer a vida "normal".

A organização indicou esta manhã que "não há ainda" uma tomada de posição por parte da seguradora com a qual contratualizou o seguro do festival, uma vez que "estão ainda a ser recolhidos dados" junto dos proprietários dos veículos.

Na página oficial do evento na rede social Facebook, uma mensagem dos promotores diz que serão dadas mais informações assim que possível e sublinha ser "muito importante que todos os lesados o reportem à GNR no centro operacional do festival e contactem o seu seguro".

Além de elementos da Polícia Judiciária (PJ), que continuam a proceder a investigações no local, de manhã a GNR mobilizou para o terreno uma equipa de investigação criminal "reforçada", disse à Lusa o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Portalegre da GNR, tenente-coronel Carlos Belchior.

"Os trabalhos não só abrangem a continuidade da averiguação das causas do incêndio, como, principalmente, a fase de identificação de viaturas e proprietários que vai ser um trabalho exaustivo devido ao elevado número carros", disse.

O oficial acrescentou que as causas do incêndio estão por apurar, afirmando que "ainda não há uma posição formal sobre o assunto", embora os indícios apontem para a "inexistência de mão criminosa".

O Andanças - Festival Internacional de Danças Populares decorre desde segunda-feira nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide.

Promovida pela PédeXumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança, a 21.ª edição do festival espera receber, até domingo, 40 mil visitantes, numa área de 28 hectares.

Com Lusa

  • Quem paga os prejuízos aos proprietários dos carros ardidos no Andanças?
    1:43

    País

    O incêndio no festival Andanças destruiu 422 carros. A indemnização dos proprietários das viaturas ardidas depende agora do tipo de seguro que cada um tiver. A organização do festival já acionou o seguro que fez do evento e um perito está em Castelo de Vide a acompanhar os trabalhos de investigação da equipa da Polícia Judiciária.

  • Fogo no Andanças apanhou centenas de pessoas desprevenidas
    2:09

    País

    O incêndio que consumiu mais de 420 carros no festival Andanças apanhou centenas de pessoas desprevenidas. Nada faria supor que num evento desta natureza, onde muitos ocupam parte das férias, pudesse acontecer um acidente desta dimensão. Recordamos como tudo aconteceu.

  • As seguradoras não avançarão antes da investigação ao incêndio no Andanças
    0:40

    País

    Depois do incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento e que destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove no festival Andanças, o Ministério Público e as autoridades policiais estão a investigar as causas deste sinistro. O advogado Nuno Sapateiro acredita que "se ficar esta nuvem no ar de que poderá haver um crime, isto pode bloquear o desenvolvimento do processo na perpectiva das seguradoras".

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Trump volta a apelar ao fim do programa nuclear de Pyongyang
    1:43

    Mundo

    Donald Trump voltou a apelar à Coreia do Norte para que abandone o programa nuclear e opte pela via do diálogo. O Presidente dos Estados Unidos chamou à Casa Branca, para uma reunião extraordinária, todos os senadores norte-americanos para serem informados sobre a atual crise com a Coreia do Norte.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.