sicnot

Perfil

País

Sistema imunitário obriga cancro de pele a alterar-se geneticamente e adaptar-se

© Nacho Doce / Reuters

Um investigador português "abriu portas" a novos tratamentos para o melanoma, cancro de pele, ao "provar" que o sistema imunitário obriga os tumores a adaptarem-se e a ganharem resistências graças a alterações genéticas, informa a Universidade do Minho (UMinho).

Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a academia minhota esclarece que um estudo do ex-aluno da UMinho Noel de Miranda, recentemente publicado na revista Nature, "avaliou a interação entre as células cancerígenas e o sistema imunitário de pacientes com melanoma em estado avançado submetidos a imunoterapia (tratamento para estimular os mecanismos de defesa)".

Segundo a nota, "concluiu-se que os tumores tendem a adaptar-se a médio prazo, alterando-se geneticamente e deixando, assim, de ser reconhecidos pelo sistema imunitário".

"Era algo que já se sabia que acontecia, das teorias de evolução clonal, mas nunca tinha sido provado do ponto de vista genético", acrescenta o comunicado, citando a tese de Noel de Miranda, agora investigador do Centro Médico da Universidade de Leiden (Holanda).

O investigador acrescenta que, com esta descoberta, passa a ser possível "adaptar as estratégias de administração de imunoterapias e, deste modo, combater a doença de uma forma mais eficaz".

Atualmente são "atacadas" as alterações genéticas mais comuns, esclarece a UMInho, "mas o objetivo é desenvolver métodos que permitam lidar com a heterogeneidade dos tumores".

Além do investigador português, o trabalho envolveu investigadores da Universidade de Leiden, do Instituto Holandês de Cancro, do Hospital Universitário de Herlev (Dinamarca) e da empresa AIMM Therapeutics (Holanda).

Em Portugal surgem 1.000 novos casos de melanoma por ano.

"A incidência dos vários tipos de cancro da pele tem vindo a aumentar devido, essencialmente, à mudança de comportamentos a favor de uma exposição aos ultravioleta exagerada ou inadequada", realça o cientista de 34 anos, natural da Póvoa de Varzim.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.