sicnot

Perfil

País

Atropelamentos registados este ano causaram 24 mortos

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Vinte e quatro pessoas morreram na sequência de 1.700 atropelamentos ocorridos nos primeiros seis meses do ano, em todo o país, mais 178 face ao período homólogo de 2015, segundo dados divulgados hoje pela GNR.

Nos primeiros seis meses de 2015 e de 2016, foram registados, no total, mais de 3.200 atropelamentos, dos quais resultaram 49 mortos, correspondendo a 14% do total das mortes em acidentes rodoviários registados na área de responsabilidade da Guarda Nacional Republicana.

No primeiro semestre deste ano, foram registadas 24 mortes (menos uma do que em igual período de 2015), 94 feridos graves (mais 11) e 791 feridos leves (mais 66), num total de 1.700 atropelamentos.

Porto (202), Braga (182), Aveiro (142) e Viseu (110) são os distritos com maiores índices deste tipo de sinistralidade, adianta em comunicado a GNR, que está a realizar uma campanha, nas redes sociais, sobre atropelamentos, alertando para a necessidade de reduzir a velocidade junto às passadeiras.

"Os atropelamentos ocorrem muitas vezes por distração, tanto do condutor como do peão", refere a corporação, sublinhando que "as principais vítimas de atropelamentos" são as crianças e os idosos.

Para prevenir estes acidentes, a GNR aconselha os condutores a redobrarem a atenção nas vias habitualmente utilizados pelos peões para passagem, mesmo fora das passadeiras, e a "reduzir a velocidade para um nível que permita imobilizar o veículo no caso de necessidade", em zonas urbanas ou residenciais.

Recomenda ainda aos condutores para não realizarem atividades que provoquem distração, como o uso de telemóvel.

A GNR dirige também algumas recomendações aos peões, como caminharem pelos passeios e atravessarem nas passadeiras, sempre que existam. Quando não existirem, "atravessar pelo lugar mais seguro, a direito, depressa mas sem correr".

Nas bermas, os peões devem caminhar no sentido contrário ao dos veículos, o mais afastado possível da faixa de rodagem, e usar vestuário de cores vivas para uma maior visibilidade, sobretudo durante a prática desportiva,

Outros conselhos passam pelos peões não atravessarem entre viaturas estacionadas, "tomar especial cuidado" ao atravessarem as vias, olhando para ambos os sentidos, e "evitar realizar atividades distrativas", como enviar mensagens e consultar as redes sociais no telemóvel.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.