sicnot

Perfil

País

Autoridades descartam mão criminosa no incêndio no Andanças

Autoridades descartam mão criminosa no incêndio no Andanças

As investigações às causas do incêndio no festival Andanças ainda estão a decorrer mas as autoridades já disseram que não há indícios de origem criminosa, tal como explicou à SIC o tenente-coronel da GNR, Carlos Belchior.

Segundo o oficial, as causas do fogo "continuam em processo de investigação" pela PJ e GNR.

As autoridades terminaram hoje de manhã os trabalhos de identificação dos veículos e dos proprietários lesados.

"Todo o trabalho de identificação dos veículos e dos seus proprietários está concluído. Durante a tarde, vamos começar a contactar os proprietários para fazer a entrega formal das viaturas", disse.

O tenente-coronel adiantou ainda que os peritos das seguradoras vão ter acesso aos veículos dos seus segurados, a partir da tarde de hoje.

Na quarta-feira à tarde, um incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento do evento destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, mas não causou danos pessoais.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".