sicnot

Perfil

País

PS e Bloco sobem nas intenções de voto e já não precisam do PCP

Sondagem

PS e Bloco sobem nas intenções de voto e já não precisam do PCP

No barómetro SIC/Expresso deste mês, quer o PS quer o Bloco de Esquerda sobem nas intenções de voto. E os resultados dos dois partidos somados atingem o limiar da maioria absoluta, o que significa que, se as eleições fossem hoje, PS e Bloco podiam dispensar o PCP para um acordo de governo à esquerda.

Mesmo na véspera da polémica com as viagens da Galp, o barómetro SIC/Expresso sondava as opiniões dos eleitores, que pareciam preparados para uma maioria absoluta PS/BE. Os dois juntos ficam no limiar desse resultado, ultrapassando os 45%.

O PS ficava com 35,5% dos votos e o PSD rigorosamente na mesma face ao barómetro de julho, nos 32,5%.

A seguir surge o Bloco, que também sobe face ao mês passado para 9,7%. Mantém-se à frente da CDU, que desceu ligeirmente para os 7,8%.

O CDS desce mais uma vez, com 6%, menos cinco décimas que no mês passado. A tabela fecha com o PAN, com 1,4% dos votos.

O Estudo de opinião é da Eurosondagem. Foi feito entre 26 de Julho e 3 de Agosto através de 1005 entrevistas telefónicas validadas. O erro máximo da amostra é de pouco mais de 3%.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.