sicnot

Perfil

País

Registadas duas ondas de calor na última quinzena de julho

© Gleb Garanich / Reuters (Arquivo)

Na última quinzena de julho foram registadas duas ondas de calor nas regiões do Vale do Tejo, Alto Alentejo e interior norte e centro, segundo o Boletim Climatológico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

A primeira onda de calor foi registada entre os dias 14 e 19 de julho e abrangeu apenas a região do Vale do Tejo, de acordo com o Boletim Climatológico disponível hoje na página da Internet do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA),

A segunda onda de calor, indica o Instituto, foi registada no período de 23 a 30 de julho nas regiões do interior norte e centro, Vale do Tejo e Alto Alentejo.

Uma onda de calor corresponde a um período de seis dias com temperaturas máximas superiores à média usual para a época e com a existência de noites tropicais, com temperaturas superiores aos 20 graus, segundo o IPMA.

O Instituto adiantou que as estações meteorológicas de Alvega, concelho de Abrantes, distrito de Santarém, Braga e Mirandela, no distrito de Bragança, estiveram sete dias seguidos com temperaturas máximas elevadas.

"De referir que o número de dias com a temperatura máxima superior ou igual a 30 e 35 graus Celsius foi cerca de 1,5 a duas vezes o valor da normal (1971-2000)", é indicado.

Segundo o relatório, cerca de 40% das estações meteorológicas do continente registaram pelo menos 15 dias consecutivos com temperaturas máximas diárias superiores ou iguais a 30 graus Celsius.

"Verificou-se que cerca de 50% das estações meteorológicas do continente registaram pelo menos cinco dias consecutivos com temperatura máxima diária maior ou igual a 35 graus e que 32% tiveram pelo menos um dia com uma máxima maior ou igual a 40 graus", avançou o IPMA.

Segundo o Instituto, as estações com maior número de dias com temperaturas superiores ou iguais a 40 graus (oito dias) foram Pinhão, no distrito de Vila Real, (42,3) Mora (42) e Portel, no distrito de Évora (42,4).

Segundo dados do Boletim Climatológico do IPMA, o mês de julho foi o segundo mais quente desde 1931, com médias de temperaturas máximas e mínimas muito superiores ao normal.

O mês passado foi caracterizado pelo Instituto por valores médios muito altos da temperatura do ar, só ultrapassados em 1989.

O IPMA indica que o valor médio da temperatura do ar foi de 24,33 graus Celsius (em julho de 1989 foi de 24,63), mais de dois graus em relação ao valor médio no período 1971-2000.

Ainda segundo os números do IPMA, o valor médio da temperatura máxima do ar no mês passado foi de 32,19 graus celsius, o mais alto desde 1931.

O valor médio da temperatura mínima, 16,47 graus, também foi ligeiramente superior ao normal e foi o oitavo mais alto desde 1931.

De acordo com o Instituto, o valor médio da quantidade de precipitação (3,1 milímetros) foi inferior ao valor normal (13,8 milímetros).

Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.