sicnot

Perfil

País

Vai ser possível ir de Lisboa ao Algarve de carro elétrico

mobi.e

O primeiro corredor de carregamento rápido vai ser inaugurado e torna possível, a partir de segunda-feira, viajar de carro elétrico de Lisboa ao Algarve sem risco de ficar sem carga no veículo.

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, inaugura, na segunda-feira, o primeiro corredor de carregamento rápido para veículo elétrico da rede MOBI.E, com os primeiros quatro postos a entrar em funcionamento.

"A partir de segunda-feira, vai ser possível viajar de Lisboa até ao Algarve de veículo elétrico sem correr o risco de ficar apeado", refere uma informação do Ministério, hoje divulgada.

João Matos Fernandes e o secretário de Estado adjunto e do Ambiente vão utilizar veículos elétricos para se deslocarem entre as áreas de serviço de Palmela e de Aljustrel, onde apresentam o plano do Governo para a mobilidade elétrica até final de 2018.

Além de permitir a deslocação sem interrupções entre Lisboa e o Algarve, o corredor "irá contribuir para a redução de emissões de gases com efeito estufa e simultaneamente para a melhoria da qualidade ambiental a sul do Tejo", salienta o Ministério.

Em fevereiro, o Governo garantiu que iria concluir a Rede MOBI.E com a instalação ou atualização de 174 pontos de carregamento, resultado de um investimento de 1,9 milhões de euros.

Estava previsto o início da instalação dos pontos de carregamento para setembro, para que os veículos elétricos passassem a conseguir fazer viagens por toda a extensão do território português, já que os carregadores rápidos permitem carregar a bateria do veículo em cerca de 30 minutos, explicava o Ministério.

A conclusão da Rede MOBI.E consta de um protocolo entre a INTELI -- Inteligência em Inovação, Centro de Inovação, representante do consórcio IDT MOBI.E e a Agência Portuguesa do Ambiente, entidade gestora do Fundo Português de Carbono.

Este protocolo permite a conclusão da Rede MOBI.E, já prevista desde 2001, através da instalação de 124 pontos de carregamento normal e da atualização tecnológica e instalação de 50 pontos de carregamento rápido.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.