sicnot

Perfil

País

Cigarro mal apagado poderá ter provocado incêndio no Andanças

O incêncio no festival Andanças terá tido origem num cigarro mal apagado. Fonte ligada à investigação adiantou à SIC que esta é a hipótese mais provável. Para já a certeza é que o incêndio não começou no interior de nenhum veículo.

Caso se venha a provar que o incêndio foi ateado devido a um cigarro mal apagado, a seguradora do festival terá então de indemnizar os proprietários lesados.

Ainda assim, há alguns objetos de valor que estavam no interior dos veículos, como por exemplo instrumentos musicais, que não estão assegurados.

Carros queimados começam a ser removidos do Andanças

Muito a conta gotas, os 455 veículos queimados no parque de estacionamento do festival Andanças, em Castelo de Vide, começaram a ser removidos ontem ao final do dia.

A GNR instalou um posto móvel junto ao parque de estacionamento e entregou as declarações de libertação das viaturas aos respetivos proprietários. Só depois é que os donos dos carros puderam acionar a assistência em viagem e rebocar os automóveis.

As causas do incêndio ainda estão a ser investigadas.

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.