sicnot

Perfil

País

Fogo em Gondomar aproxima-se de várias casas

SIC

O incêndio que começou na tarde de sexta-feira na freguesia de Melres e Medas, concelho de Gondomar, distrito do Porto, tem duas frentes ativas "bastante longas" e está a aproximar-se de duas povoações, revelaram os Bombeiros Voluntários de Melres.

O presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, adiantou à Lusa que o incêndio está a aproximar-se das povoações de Vilarinho e de Moreira, na freguesia de Melres e Medas e que a "prioridade é defender as habitações".

O autarca, que tutela a Proteção Civil, disse estar "à espera de um reforço de meios" para combater as chamas e acrescentou que "desde as 09:00 que foram pedidos meios aéreos", sem sucesso.

"Há um reforço de meios terrestres a caminho", acrescentou Marco Martins, indicando que "foram pedidos meios aéreos, mas parece que não há".

De acordo com o autarca, não existem, neste momento, casas evacuadas.

Fonte dos Bombeiros Voluntários de Melres disse à Lusa, por volta das 09:30 de hoje, que o fogo que começou na tarde de sexta-feira na freguesia de Melres e Medas, estava "perto de casas" no lugar de Costeirinha.

As chamas em "povoamento misto" avançaram entretanto para "duas frentes ativas", indicava, pelas 11:30, a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

De acordo com aquela entidade, estão a combater o fogo 87 homens, 29 viaturas e um meio aéreo.

Este é um dos três incêndios que a ANPC destaca como "ocorrência importante".

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.