sicnot

Perfil

País

Derrocada na praia Maria Luísa sem feridos

A derrocada da arriba na praia Maria Luísa, em Albufeira, no Algarve. aconteceu perto das 13h00. Em Benagil, cinco pessoas ficaram presas numa embarcação nas rochas.

Expresso / SIC

De acordo com fonte do Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) não se registaram veraneantes feridos.

Na praia Maria Luísa estão elementos das forças de proteção e socorro, apoiados por sete veículos, refere a Autoridade Nacional de Proteção Civil na sua página de Internet.

A 21 de agosto de 2009, um desmoronamento na praia Maria Luísa resultou na morte de cinco pessoas e ferimentos em outras duas, no que constituiu o maior acidente com arribas no país desde que há registos oficiais.

Grupo encurralado em gruta em Benagil

Em Benagil, cinco pessoas ficaram presas numa gruta quando passeavam numa embarcaçao turística, devido à ondulação entre os 2 e 3 metros.

Foram retiradas pela Polícia Marítima de Portimão e assistidas em Ferragudo.

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.