sicnot

Perfil

País

Autarca de Arouca preocupado com falta de meios para substituir bombeiros

O presidente da Câmara Municipal de Arouca, José Artur Neves, admitiu que o incêndio que lavra há quase 40 horas na Serra da Freita pode agravar-se, adiantando que não estão garantidos meios para substituir os bombeiros que estão cansados.

"Estamos com muita dificuldade. Não está fácil de controlar e sentimos que a situação se pode agravar mesmo. Os bombeiros estão a ficar exaustos e os meios de substituição não estão precavidos ou pelo menos garantidos", disse o autarca.

José Artur Neves referiu que durante a madrugada houve reacendimentos e os incêndios "foram proliferando de uma forma quase livre", porque os bombeiros estiveram concentrados nas zonas habitadas.

O autarca mostrou-se ainda preocupado com as condições atmosféricas previstas para hoje, adiantando que são esperadas "temperaturas altíssimas, baixa humidade do ar e ventos".

"A zona é muito má e sentimos muita dificuldade em acabar com o número de focos de incêndio que estão ativos", disse o autarca, acrescentando que "há pressão sobre lugares como Ameixieira, Souto Redondo, Provisende e Mizarela".

Segundo o presidente da Câmara, até ao momento não houve casas atingidas. "Houve de facto palheiros atingidos, currais, mas casas de habitação não", adiantou.

"Tudo isto se passa no sopé da Serra da Freita onde temos muitas aldeias serranas com muito gado e a grande preocupação agora é mesmo onde é que eles tem o pasto para os seus animais", disse o autarca.

Quanto à paisagem, José Artur Neves diz que felizmente a natureza tem uma capacidade de regeneração extraordinária. "É evidente que no início há um choque tremendo, mas dentro de três ou quatro meses, com as primeiras chuvas, quase não vamos sentir que houve incêndio", explicou.

O fogo que deflagrou cerca das 19h00 de sábado, na freguesia de Rossas, desenvolve-se em sete frentes.

Segundo a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), atualizada às 09h15, o fogo está a ser combatido por cerca de 250 operacionais, auxiliados por 82 meios terrestres.

Lusa

  • Mais de 200 operacionais combatem incêndio em Arouca
    0:46

    País

    O incêndio em Arouca, em Aveiro, é neste momento o mais grave. 250 operacionais estão no terreno com o apoio de 82 meios terrestres. Está ainda previsto o reforço de ajuda através de meios aéreos. O vento e as elevadas temperaturas têm dificultado o trabalho dos bombeiros que tentam combater as chamas desde sábado à tarde. O Comandante Operacional, José Bismarck, diz que existem habitações em risco e que a população deve estar atenta ao perigo.

  • Fogo em Arouca ameaça casas

    País

    Mais de duzentos bombeiros conbatiam às 06:30 o incêndio na freguesia de Roças, concelho de Arouca, distrito de Aveiro, encontrando-se ainda algumas casas isoladas em risco, adiantou à Lusa o adjunto operacional Carlos Guerra.

  • A29 reaberta, A1 e A41 cortadas nos dois sentidos devido a fogos

    País

    A autoestrada A29 que esteve cortada ao trânsito nos dois sentidos, junto de Albergaria-a-Velha, foi reaberta ao trânsito cerca das 16:30, estando interditas a A1 e a A44, disse à Lusa fonte da GNR. Cerca das 16:00 foi decidido encerrar ao trânsito os dois sentidos da A41, no quilómetro 34, junto de Gondomar, devido ao incêndio que lavra há vários dias na zona.A A1 continua cortada ao trânsito nos dois sentidos e, segundo a GNR, a alternativa para os automobilistas que circulem de norte para o sul é seguirem pela A29 ou pelo Itinerário Complementar 1 (IC) ou IC2.

  • População ajuda a salvar quartel dos bombeiros das chamas na zona de Viseu
    2:17
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão