sicnot

Perfil

País

Descoberto gene que explica comprimento das cobras e pode ajudar à regeneração da medula espinal

© Vasily Fedosenko / Reuters

Uma equipa de investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) descobriu o gene que controla o desenvolvimento do tronco, o que pode abrir caminho para a regeneração da medula espinal em caso de lesão. O mesmo gene explica, segundo a equipa, por que motivo as cobras têm um esqueleto tão comprido.

O gene em causa chama-se Oct4, que, quando ativado durante mais tempo, em ratinhos, faz com que as células progenitoras, que se diferenciam noutras células, para formar tecidos e órgãos, continuem a 'construir' o tronco.

O mesmo gene, que existe nos vertebrados, inclusive nos humanos, explica, segundo a equipa, por que motivo as cobras têm um esqueleto tão comprido: o Oct4 mantém-se ativo durante um longo período na fase de desenvolvimento do embrião.

O investigador Moisés Mallo, que lidera o grupo, disse à Lusa que, agora, talvez se possa "encontrar as condições experimentais", em culturas de células humanas, que reproduzam o mecanismo "e escolher, dentro das que fazem o troco, as que fazem a medula, e que possam reparar uma lesão".

A ideia será investigar se o Oct4 pode ser utilizado para "expandir as células que formam a medula espinal" e ver se, com elas, é possível regenerá-la em caso de dano.

As conclusões da investigação, realizada pelo IGC, em colaboração com a Universidade norte-americana da Florida, foram publicadas na revista Developmental Cell.

O grupo de Moisés Mallo foi contemplado, em 2014, com o Prémio Melo e Castro, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, com o qual se propôs estudar, durante três anos, as características das células progenitoras da medula espinal, e depois multiplicá-las em laboratório para, eventualmente, regenerar tecidos que estão danificados em doentes com paraplegias ou tetraplegias, de modo a que estes possam recuperar movimentos.

Com Lusa

  • "É abusivo falar de fuga ao fisco"
    4:10

    Economia

    Dez mil milhões de euros é o valor de que se fala das transferências para contas offshore, que terão escapado à Autoridade Tributária. O número impressiona, mas é preciso notar que este dinheiro é capital que sai do país e o capital não está sujeito ao pagamento de imposto só porque sai do país. O fiscalista Tiago Caiado Guerreiro esteve no Jornal da Noite para dar mais explicações sobre o caso.