sicnot

Perfil

País

Descoberto gene que explica comprimento das cobras e pode ajudar à regeneração da medula espinal

© Vasily Fedosenko / Reuters

Uma equipa de investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) descobriu o gene que controla o desenvolvimento do tronco, o que pode abrir caminho para a regeneração da medula espinal em caso de lesão. O mesmo gene explica, segundo a equipa, por que motivo as cobras têm um esqueleto tão comprido.

O gene em causa chama-se Oct4, que, quando ativado durante mais tempo, em ratinhos, faz com que as células progenitoras, que se diferenciam noutras células, para formar tecidos e órgãos, continuem a 'construir' o tronco.

O mesmo gene, que existe nos vertebrados, inclusive nos humanos, explica, segundo a equipa, por que motivo as cobras têm um esqueleto tão comprido: o Oct4 mantém-se ativo durante um longo período na fase de desenvolvimento do embrião.

O investigador Moisés Mallo, que lidera o grupo, disse à Lusa que, agora, talvez se possa "encontrar as condições experimentais", em culturas de células humanas, que reproduzam o mecanismo "e escolher, dentro das que fazem o troco, as que fazem a medula, e que possam reparar uma lesão".

A ideia será investigar se o Oct4 pode ser utilizado para "expandir as células que formam a medula espinal" e ver se, com elas, é possível regenerá-la em caso de dano.

As conclusões da investigação, realizada pelo IGC, em colaboração com a Universidade norte-americana da Florida, foram publicadas na revista Developmental Cell.

O grupo de Moisés Mallo foi contemplado, em 2014, com o Prémio Melo e Castro, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, com o qual se propôs estudar, durante três anos, as características das células progenitoras da medula espinal, e depois multiplicá-las em laboratório para, eventualmente, regenerar tecidos que estão danificados em doentes com paraplegias ou tetraplegias, de modo a que estes possam recuperar movimentos.

Com Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados

    Ataque em Barcelona

    Cinco suspeitos foram abatidos e sete pessoas ficaram feridas num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.