sicnot

Perfil

País

Ministro do Ambiente quer mobilidade elétrica alargada a todo o país até ao fim do ano

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, assumiu que, até final do ano, haverá no país 50 postos de carregamento rápido para veículos elétricos, para que a mobilidade elétrica deixe de ser apenas "um fenómeno urbano".

"Até ao final do ano, será possível, em todo o país, que nos possamos deslocar em veículos elétricos, porque haverá postos de carregamento rápido em todo o país", disse o ministro.

Segundo o governante, que inaugurou hoje o primeiro corredor de carregamento rápido para veículos elétricos da rede MOBI.E, o objetivo, em 2017, passa por alargar este projeto.

"Até ao final do próximo ano, cada sede de concelho terá, pelo menos, um posto de carregamento e a mobilidade elétrica deixará de ser entendida como um fenómeno urbano, mas sim um fenómeno que é possível acontecer em todo o país, com grandes ganhos para o ambiente e para todos nós", disse.

João Matos Fernandes, que viajou hoje num automóvel elétrico até à área de serviço de Aljustrel da Autoestrada do Sul (A2), onde decorreu a cerimónia, explicou que, para já, estão à disposição dos automobilistas seis postos de carregamento rápido, em quatro áreas de serviço, no corredor Lisboa-Algarve.

Mas, prometeu o ministro, até ao final do ano, serão 50, em várias autoestradas do território nacional: "Será possível viajar de Viana do Castelo até ao Algarve e nos dois eixos para o interior", mais precisamente "na A25, que liga Aveiro a Vilar Formoso, e na A23, desde Torres Novas até à Guarda", em veículo elétrico.

Nestas rodovias, continuou o governante, "haverá uma rede robusta de carregamento rápido, que permite que se dê uma carga ao automóvel em 20 minutos".

O desenvolvimento desta rede MOBI.E é "fundamental" para Portugal, afirmou, realçando que o projeto vai "permitir a mobilidade elétrica" no país, "particularmente, fora das cidades".

"Não existiam postos de carregamento rápido no país e eles são determinantes para que se possam fazer distâncias como esta, Lisboa-Algarve, com toda a segurança em veículos elétricos", referiu, frisando que, até final do ano, estes pontos vão gratuitos.

O Governo, assumiu João Matos Fernandes, tem a "grande ambição" de que, "dentro de dez anos, 10% dos veículos" existentes em Portugal sejam "veículos elétricos", pelo que, para atingir este objetivo, é necessário apostar nas infraestruturas.

"Para isso, o Estado tem de contribuir de forma decisiva para que exista uma rede pública de carregamento que permita que, dentro de muito pouco tempo, se possa utilizar, com igual grau de fiabilidade, um veículo elétrico ou um veículo que não é elétrico", defendeu.

O preço deste tipo de viaturas, reconheceu, é "mais elevado" do que o dos veículos a gasóleo e gasolina, mas o investimento, mesmo quando a energia elétrica começar a ser paga, por ser mais barata dos que os combustíveis, "é absolutamente compensável, além da inexistência de emissões" de gases com efeito de estufa.

"Uma outra questão muito relevante é que os veículos elétricos em Portugal não pagam imposto automóvel, porque este depende das emissões e da cilindrada. Não havendo emissões e não tendo os motores cilindros, não pagam", acrescentou.

Portugal tem de "fazer um esforço muito grande" para, até 2030, reduzir "no mínimo 30%" das emissões de gases com efeito de estufa, lembrou João Matos Fernandes, sublinhando que esta meta requer reduções nos setores da indústria e da produção de energia, mas também dos "setores ditos de poluição de origem difusa", onde os transportes têm "papel nuclear".

A conclusão da Rede MOBI.E, já prevista desde 2001, envolve a instalação de um total de 124 pontos de carregamento normal e da atualização tecnológica e instalação de 50 pontos de carregamento rápido.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.