sicnot

Perfil

País

Polícia Judiciária detém alegado autor de fogo no Funchal

O alegado autor do incêndio que deflagrou nas serras de São Roque, concelho do Funchal, foi esta segunda-feira detido e aguarda o primeiro interrogatório judicial, revelou fonte da Polícia Judiciária.

A mesma fonte adiantou que "a pronta atuação da polícia permitiu chegar perto do local de ignição e, em conversa com os habitantes locais, foi fácil chegar ao suspeito".

O homem, de 24 anos, "tem antecedentes criminais" por fogo posto, disse a fonte da PJ, acrescentando que já "foi entregue no serviço prisional da Cancela, na Camacha, pelas forças de segurança".

O presidente do Governo Regional da Madeira já tinha afirmado existirem indícios de que o incêndio que deflagrou na freguesia de São Roque tinha sido "fogo posto" e que essa possibilidade estava a ser averiguada pela Polícia Judiciária.

O incêndio deflagrou hoje cerca das 15:30 na freguesia de São Roque, tendo duas habitações sido destruídas pelas chamas.

O fogo atingiu também um armazém de comércio de pneus, provocando a explosão de dois tanques de fuelóleo.

O pavilhão do Clube Desportivo de São Roque está a acolher as pessoas desalojadas ou afetadas pelo incêndio e é lá que estão a ser prestados os primeiros apoios.

O incêndio, que se alastrou à freguesia vizinha de Santo António, continuava hoje à noite a ser combatido por 70 operacionais de sete corporações diferentes da ilha, apoiados por 17 viaturas.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras